16 de junho de 2020

REUNIÕES VIRTUAIS

Ricardo Cavalcante debate a retomada econômica e importância da testagem

O presidente da FIEC, Ricardo Cavalcante, participou do webinário sobre retomada econômica nesta quarta-feira (16), realizado pela plataforma Agir Brasil, dizendo que o PIB industrial caiu 20,8% desde o início da pandemia do novo coronavírus e que 14 segmentos industriais pararam atividades. Já 26 continuaram funcionando por serem essenciais, como o de alimentos e o farmoquímico.

Ricardo Cavalcante ressaltou a importância da união dos setores                  Foto: Divulgação

“O maior problema nesse momento é crédito. Estamos conversando com bancos públicos e privados para tentar resolver essa questão. Entre as liberações de crédito do Governo Federal e a chegada dos recursos nas empresas há um espaço grande. Comércio, indústria e governos têm de estar abraçados nesse momento de retomada”, afirmou.

Ele lembrou, ainda, da preocupação da indústria com colaboradores, da adequação das empresas às novas formas de produzir e do cumprimento de protocolos estabelecidos pelo Governo do Ceará. Nesse contexto, ressaltou que o Sesi está adquirindo testes. “Pretendemos testar 7% dos trabalhadores da indústria para termos mais segurança nas ações”, informou.

Ricardo Cavalcante destacou o trabalho do Senai Ceará na formação de trabalhadores para a indústria, no que se refere à digitalização. “Acredito que aceleramos cinco anos em 70 dias quanto a isso. Estamos atuando junto às indústrias para levar essa parte tecnológica”, disse.

Já presidente do Sistema Fecomércio Ceará, Maurício Filizola, ressaltou que o empresário do comércio aprendeu muito. “No atacado, houve redução de 26,48% em maio e no varejo a queda foi de 55,82% no mesmo período. Temos que focar na retomada. O cliente está com perfil diferente. Os empresários se reinventaram. Sairemos disso com muito mais crescimento”, explicou.

As fases da retomada da economia cearense e os critérios para a reabertura foram abordados pelo secretário executivo de Planejamento e coordenador do Plano de Abertura da Economia do Ceará, Flávio Ataliba, que cobrou a corresponsabilidade de todos os envolvidos.

“Parte muito importante do sucesso é a consciência de que a doença não foi embora. Não podemos ficar fechados enquanto sai a vacina porque pode demorar. A economia precisa voltar a funcionar, mas será uma mudança de vida”, salientou.

Testagem

Em outra reunião virtual, mas com a equipe da Secretaria da Saúde, ficou acertado o aumento da testagem para detecção da Covid-19 dentro das indústrias cearenses, conforme orientação do titular da Sesa, Dr. Cabeto, para prevenir a expansão do contágio.

Por meio do Sesi, a FIEC já adquiriu 30 mil testes para as indústrias. “É muito importante esse trabalho que a Sesa vem fazendo para cada vez mais tirar essas dúvidas do empresariado, seja ele do comércio, da indústria ou dos serviços”, concluiu Ricardo Cavalcante.

Mais notícias

Ver tudo de Negócios