3 de maio de 2021

DISPUTA ACIRRADA

Nicola Miccionne comemora resultado de leilão da Cedae e diz que impactará 12 milhões de pessoas em 35 municípios

O leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), do Rio de Janeiro, foi considerado pelo secretário chefe da Casa Civil do Governo do Rio, Nicola Miccionne, como a mais importante privatização realizada naquele estado. E que a venda da estatal representará um impacto positivo na vida de 12 milhões de pessoas, em 35 municípios fluminenses.

Nicola Miccionne destacou a arrecadação de R$ 22,7 bilhões                           Foto: Divulgação

Afinal, havia uma expectativa que o certame pudesse render cerca R$ 9,7 bilhões aos cofres do governo estadual. Mas houve um forte acirramento na disputa pelos grupos interessados, e o ágio foi de 133,6%, com uma arrecadação total de R$ 22,7 bilhões por três dos quatro blocos que foram inseridos no leilão, realizado na última sexta-feira (30), na B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, em São Paulo.

“Asseguro que sob as orientações do governador Cláudio Castro, e com intensa parceria com o Legislativo, Judiciário e sociedade, estamos construindo hoje o Rio de Janeiro do amanhã. Um Rio de Janeiro melhor,mais justo, mais inclusivo. Um Rio de Janeiro onde todos tenham o mesmo direito à vida e ao respeito do Estado”, salientou Miccionne, antes de bater o martelo do leilão.

A sessão na B3 foi extremamente concorrida e contou com as presenças do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, demonstrando toda a sua relevância, uma vez que foi o segundo maior leilão de concessão, desestatização ou privatização da história do Brasil.

“Esse leilão representa um divisor de águas do Estado, na medida que mostra a confiança em se investir no estado, prova disso é o ágio alcançado. Vai impactar uma população de 12 milhões de pessoas em 35 municípios, com efeitos ambientais relevantes, pois R$ 2,6 bilhões serão investidos na despoluição da Baía da Guanabara. E trará impactos para a saúde das pessoas, valorização imobiliária, expansão do turismo”, destacou Nicola Miccionne.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business