11 de janeiro de 2021

ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO

Hapvida quer complementariedade de ações após a fusão com a Intermédica

O médico Jorge Pinheiro, CEO do Sistema Hapvida, afirmou nesta segunda-feira (11), durante teleconferência com analistas e investidores, que a fusão com o Grupo Notre Dame Intermédica (GNDI) resultaria numa empresa gigantesca do setor de saúde, que poderia chegar a R$ 120 bilhões em valor de mercado e criaria uma complementariedade entre ambas, para atuar em todo o Brasil.

Jorge Pinheiro acredita na expansão orgânica das duas empresas                  Foto: Divulgação

Afinal, o Hapvida tem liderança de mercado nas regiões Norte e Nordeste, mas já expandiu fortemente sua atuação nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, com a aquisição de outras operadoras de plano de saúde. E a fusão com a Intermédica reforçaria ainda mais sua presença no Sudeste e abriria um grande leque de opções no Sul do País, onde ainda tem participação discreta.

A ideia seria ofertar planos de saúde individuais mais acessíveis, nas regiões onde o GNDI atua com um público de maior poder aquisitivo. Mas, sempre sem haver uma concorrência direta e aproveitando a oportunidade de haver um compartilhamento das infraestruturas físicas de atendimento.

Se a transação for aprovada pelos acionistas e pelos órgãos reguladores, como o Cade, a empresa resultante desta fusão terá um total de 84 hospitais, 280 clínicas médicas e 257 laboratórios de diagnóstico, ou seja, uma ampla rede de atendimento em todas as regiões do País.

Quando se fala em número de usuários, também é muito representativo, pois juntas atendem a 13,5 milhões de pessoas. Entretanto, de acordo com Jorge Pinheiro, esse mercado corresponde a cerca de 65 milhões de pessoas, atualmente, com capacidade para adquirir uma plano de saúde privado, demonstrado que ainda há muito espaço para expandir os negócios.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business