30 de setembro de 2020

MERCADO DE TINTAS

Grupo J. Macêdo vende a Hidracor para a Iquine por cerca de R$ 120 milhões

A indústria pernambucana de tintas Iquine fechou nesta quarta-feira (30), a compra da cearense Hidracor, numa negociação que chegou a cerca de R$ 120 milhões. O contrato foi assinado na fábrica de Maracanaú, entre os executivos da Iquine, e os empresários cearenses Amarílio e Omar Macêdo.

Executivos da Iquine e da Hidracor após o fechamento do negócio                         Foto: Divulgação

A Iquine adquiriu as unidades fabris de Maracanaú e Acarape, além das marcas Hidracor e Hipercor, e assumirá a operação das instalações a partir de amanhã. Com a aquisição, a Iquine deve assumir a terceira colocação do ranking dos maiores fabricantes de tintas do País.

A Hidracor possui cerca de 450 colaboradores e, além das tintas, esmaltes e texturas líquidas, produz também cal e cerca de 10 mil toneladas mensais de tintas imobiliárias em pó. As marcas Hidracor e Hipercor deverão ser mantidas, uma vez que são reconhecidas no mercado nordestino.

Fábrica da Hidracor, em Maracanaú, foi o palco da assinatura do contrato

A negociação só não envolveu as minas de cal pertencentes à J. Macêdo Mineração, que será a fornecedora da matéria prima que é utilizada nas unidades fabris e possui minas em vários municípios do Ceará e alguns estado do Nordeste.

Segundo fontes da companhia, a Hidracor estava vindo num excelente momento, com crescimento contínuo, mas a pandemia do novo coronavírus gerou fortes impactos, devido ao fechamento de suas unidades durante vários dias, na quarentena.

Por isso, o Grupo J. Macêdo decidiu focar a atuação no seu principal segmento, que é o alimentício à base de trigo. Afinal, até agosto último o resultado operacional do conglomerado empresarial mais do que dobrou em relação ao mesmo período do ano passado.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business