DESCUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÃO

CVM determina suspensão de registro da VCI, gestora do Hard Rock Hotel no País

Por Marcelo - Em 9 de junho de 2021

O não envio de seus demonstrativos financeiros à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), levou a autarquia a suspender, nesta terça-feira (8), o registro de companhia aberta da Venture Capital Participações e Investimentos (VCI). A empresa é responsável pelos hotéis da marca Hard Rock no Brasil e está construindo um empreendimento na Praia de Lagoinha, no Litoral Oeste do Ceará.

Complexo do Hard Rock Hotel na Praia da Lagoinha, está em obras                 Foto: Divulgação

De acordo com a Superintendência de Relações com Empresas da CVM, há mais de um ano a VCI não encaminha a sua documentação para o órgão, o que levou a essa medida punitiva. E enquanto essa suspensão estiver em vigor, a Venture Capital não poderá ter os valores mobiliários por ela emitidos, admitidos à negociação no mercado regulamentado: balcão organizado, bolsa ou balcão não organizado.

Além disso, de acordo com matéria do Estadão, esta suspensão não exime a companhia, seus controladores e administradores de responsabilidade em decorrência de possíveis infrações praticadas, que poderão culminar, inclusive, com o cancelamento do registro.

A VCI atua no desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, principalmente no setor hoteleiro, em parceria com grandes marcas internacionais, como o Hard Rock Hotel. Um desses projetos é o Residence Club at the Hard Rock Hotel Fortaleza, que está sendo construído na Praia de Lagoinha, distante 110 quilômetros da capital cearense.

Em fevereiro deste ano, em matéria publicada pelo Diário do Nordeste, os antigos donos do terreno onde o Hard Rock Hotel Fortaleza está sendo construído, em Lagoinha, destacaram uma ação judicial, pois alegavam que haveria um saldo devedor de R$ 61 milhões. Os investidores negaram qualquer tipo de pendência financeira, e ressaltaram que a transação estava garantida por cartas fianças. Agora, um novo imbróglio documental leva à suspensão do registro da VCI na Comissão de Valores Mobiliários.

A empresa

Em nota, a Venture Capital Participações e Investimentos S.A. informou que a suspensão temporária do Registro de Companhia Aberta não tem nenhum impacto nos projetos ou nas vendas das frações imobiliárias. “Apenas limita temporariamente a emissão de novos papéis na B3, o que já não era feito pela VCI desde 2018. Isso ocorre quando há atrasos no envio dos demonstrativos financeiros à autarquia”. Também salientou que não houve paralisação de obras em decorrência desses processos.

Ressaltou que o atraso no envio foi uma estratégia da companhia, pois como a VCI S.A. adquiriu 90% de Participação da HRH Ilha do Sol Empreendimentos  SA, no Paraná, e teve significativa Reestruturação Societária no início de 2021, optou por não enviar os demonstrativos para evitar ressalvas em seu balanço. “A Crowe, auditoria internacional contratada, está refazendo e revisando todos os demonstrativos financeiros de 2020, devendo proceder à equivalência patrimonial e os necessários ajustes, que não foram anteriormente enviados para não informar dados que poderiam ser revisados pelos auditores”, salientou a empresa.

Segundo Bernardo Sperandio, diretor de Relação com Investidores da VCI, “no dia 16 de novembro de 2020, a VCI SA  fez o pagamento integral e antecipado de R$ 47 milhões relativo à totalidade de debêntures emitidas, retirando todos os papéis de dívida de circulação na B3. A companhia não possui assim mais dívidas públicas e iniciará conforme anunciado anteriormente o processo de fechamento de capital”.

“A VCI S.A. informa, ainda, que esta medida não tem nenhuma relação e não afeta em nada as negociações de suas frações imobiliárias, e reafirma o seu comprometimento com os seus mais de 8 mil clientes ativos, assim como a sólida parceria de negócios com a Hard Rock International”, destacou a nota.

Outra suspensão

Ainda no dia de hoje, a CVM também suspendeu o registro de companhia aberta da Advanced Digital Health Medicina Preventiva, pelos mesmos motivos. Quais sejam, o descumprimento, há mais de um ano, de prestar informações financeiras à autarquia. (Atualizada às 10h06)

Mais notícias

Ver tudo de IN Business