4 de setembro de 2020

VISITANTES DA REGIÃO

Ceará tem altas taxas de ocupação hoteleira em seus principais destinos turísticos no feriado da Independência

A praias do litoral cearense sempre foram um dos principais destinos turísticos do Brasil e, devido ao cuidado que foi tomado pelo Governo do Ceará no combate à pandemia do novo coronavírus, o primeiro feriado prolongado já apresenta uma taxa de ocupação de 85,7% nas principais cidades praianas do Estado, fora Fortaleza.

Piscinas naturais de Flecheiras são um grande atrativo da região                            Foto: Divulgação

De acordo com um levantamento da Setur, os hotéis e pousadas das praias de Flecheiras/Mundaú estão com 100% de ocupação, seguidas de perto por Jericoacoara, que atingiu 97,5%. Cumbuco (91,4%), Camocim (87,1%) Praia das Fontes/Morro Branco (86%), Canoa Quebrada (77,3%) e Porto das Dunas/Prainha (62,8%) fecham as sete principais áreas turísticas do nosso litoral.

Outro dado interessante da pesquisa revela que a infraestrutura de hospedagem da região de Guaramiranga também está com altas taxas de ocupação, chegando a 83,3%. “Isso comprova nossa expectativa de que o turismo perto, aqui do próprio Ceará e estados vizinhos como Rio Grande do Norte, Paraíba, Piauí e Maranhão é que deverá impulsionar a retomada turística no Estado”, disse Arialdo Pinho.

Lagoas de águas cristalinas de Jericoacoara encantam os turistas

Com relação à taxa de ocupação dos hotéis e pousadas de Fortaleza ainda estar baixa, com média e 35,7% e um pouco melhor nos flats (53%), foi taxativo. “Isso é porque temos um estrutura grande, ainda há uma preocupação das pessoas com relação ao vírus, e a redução da malha aérea para cá, também impacta de maneira significativa”, salientou o titular da Setur.

Ele lembrou que no auge da pandemia, o Fortaleza Airport registrou 53 voos em um mês. “Mas já estamos trabalhando junto às companhias aéreas, com o objetivo de ampliar o número de voos para o Ceará, tanto que hoje já estamos com 40 operações diárias e até dezembro queremos estar com 80% da malha doméstica do pré-pandemia, que representavam entre 140 e 150 voos por dia”, completou Arialdo Pinho.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business