ENTREVISTA À GLOBONEWS

Tasso diz que CPI da Covid é das mais importantes do Congresso e que não aspira concorrer à presidência em 2022

Por Marcelo - Em 20 de abril de 2021

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) participou nesta terça-feira (20), de uma entrevista ao vivo ao programa Em Ponto, da Globonews, para falar sobre o andamento e da importância da CPI da Covid, que está sendo instalada no Senado Federal para apurar responsabilidades, omissões e supostos atos ilícitos durante a crise sanitária. E ressaltou que ela é uma das mais importantes do Congresso Nacional.

Tasso Jereissati lembrou que a CPI tratará de vidas perdidas                            Foto: Divulgação

Ele destacou que os trabalhos da comissão deverão ser iniciados na próxima terça, por determinação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). “Existe uma coordenação feita pelo provável relator, Renan Calheiros, para montar um plano de trabalho, que não está pronto, e será submetido aos 11 membros da CPI, para que seja aprovado”, disse. Mas quem elegerá o relator é o presidente da CPI, Omar Aziz.

O parlamentar cearense destacou que esta deverá ser uma das CPIs mais importantes do Congresso Nacional. “Porque não estamos falando apenas de corrupção, estamos falando de vidas, centenas de milhares que já foram perdidas neste País. E essa CPI vai ser responsável para investigar as causas, as omissões, as ações que ocorreram e fizeram com que chegássemos ao ponto que estamos vivendo”, salientou.

Tasso afirmou que não é seu plano de vida chegar à presidência da República, apesar de seu nome ter sido ventilado por alguns apoiadores para lançar uma pré-candidatura para as eleições presidenciais de 2022. “Existem alguns companheiros que lançaram meu nome, como uma alternativa, mas existem outros dois candidatos bem mais à frente: João Dória e Eduardo Leite. Mas eu não me sinto como um candidato que esteja na frente das preferências do partido”, explicou.

Ainda falando sobre as eleições presidenciais do ano que vem, disse que não acredita muito na vitória de algum candidato mais extremista, como Jair Bolsonaro ou Lula. “Acho que temos uma boa e larga avenida para um candidato de Centro. No entanto, esses dois extremos têm um mínimo garantido entre 20 e 30%. Precisamos ter poucos candidatos pelo centro, para que possamos chegar ao segundo turno. E o ideal seria termos uma candidatura só, que possa representar esse Centro”, ressaltou Tasso Jereissati.

Assista ao vídeo:

https://www.facebook.com/tassojereissati/videos/507259853775153/

Mais notícias

Ver tudo de IN Connection