9 de julho de 2020

MOVIMENTAÇÃO PLENA

Porto de Fortaleza realiza operações em todos os seus berços de atracação

As cargas movimentadas pelo Porto de Fortaleza já ocupam, neste início de julho, todos os berços na faixa do cais. Entre combustível, trigo e manganês, são mais de 30 mil toneladas de importação e exportação de longo curso, embarque e desembarque via cabotagem (percurso entre portos brasileiros), além de 300 unidades de contêineres e o abastecimento do rebocador Netuno no berço 102.

Porto dc Fortaleza está operando na capacidade máxima                          Foto: Divulgação

A programação para este segundo semestre deve confirmar o crescimento que foi registrado nos seis primeiros meses do ano, quando foram movimentados 2,34 milhões de toneladas, representando 9% superior ao mesmo período do ano passado e 53% do balanço do fechamento de 2019 (4,4 milhões de toneladas).

O píer petroleiro externo está recebendo 8 mil toneladas de diesel (navio Turquose veio de Itaqui e seguirá para Belém); o píer interno outras 3 mil toneladas de GLP (navio Forte Copacabana, veio de Barra do Riacho e retorna para o mesmo local após o abastecimento); no berço 103, estão sendo descarregadas 19.304 toneladas de trigo (navio Bamboo Star, vindo dos Estados Unidos).

Já no berço 106, estão sendo movimentados 300 contêineres (navio Marfret Guyane veio de Vila do Conde e seguirá para Natal). E no berço 105 atracará no final da tarde desta quinta-feira (9), vindo dos Estados Unidos, o navio Sea Hope, que carregará 19.700 toneladas de manganês com destino à China.

Esse bom desempenho no Porto de Fortaleza vem sendo puxado pelos principais operadores portuários, que programam até dezembro movimentar cerca de meio milhão de toneladas de cargas diversas (Multlog); aproximadamente meio milhão de trigo (Tergran); outras 250 mil toneladas (Termaco); 152.800 toneladas – incluindo produtos siderúrgicos – e mais 22 mil unidades de contêineres (BF Fortship).

Diferentes tipos de cargas estão sendo movimentadas no terminal portuário

De janeiro a junho deste ano, os granéis sólidos responderam por 46% de tudo o que foi movimentado no terminal portuário ca capital cearense e os granéis líquidos por 45%. No mesmo período ano passado, respectivamente, foram 43% e 48%. A carga geral se manteve estável em 9%.

A diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará, Mayhara Chaves, destaca que as linhas de cabotagem devem se tornar frequentes no Porto de Fortaleza, impulsionando ainda mais a movimentação de cargas do terminal.

“A cabotagem possui um grande potencial de transporte de carga com baixo custo e é ambientalmente sustentável. Para tornar mais viável, nós defendemos melhorias na regulação do setor, com redução de taxas e impostos, unificando os valores das tabelas para incentivar esse modal”, ressalta Mayhara Chaves.

Os números do primeiro semestre deste ano são bastante positivos, tanto que nos granéis sólidos a movimentação chegou a 1.080.406 toneladas (crescimento de 19% em relação a igual período de 2019); em carga geral foram 214.929 toneladas (alta de 10,5% frente ao 1SEM/2019) e nos granéis líquidos 1.041.000 toneladas (movimentação estável em relação ao 1SEM/2019, que registrou 1.030.956 toneladas).

Mais notícias

Ver tudo de Negócios