Max, Bia e Victor Perlingeiro inauguram nesta quinta-feira, dia 4 de julho, a exposição "Universo Gráfico de Cândido Portinari" (1903-1962), na Galeria Multiarte. Parceria de 40 anos entre a Pinakotheke e o Projeto Portinari, a mostra expõe 50 obras entre pinturas, desenhos e monotipia, sendo um raro retrato da trajetória criativa do artista brasileiro de maior projeção internacional.

 

"Mais que oportuno, fazer essa exposição é uma homenagem a Portinari", pontua o marchand Max Perlingeiro, também proprietário das duas Galerias Pinakotheke, em São Paulo e Rio de Janeiro, e da Multiarte em Fortaleza. "Na mostra, nós beneficiamos o suporte de papel e multiplicamos técnicas e processos de Portinari: temos grafite, nanquim, nanquim-pincel, pochoir, monotipia, óleo, aquarela, carvão... É uma quantidade muito grande de técnicas e, com isso, apresentamos o verdadeiro processo criativo do artista", continua.

Além de Perlingeiro, a mostra conta com a cuidadosa curadoria de João Cândido Portinari, filho único do artista e diretor da Associação Cultural Candido Portinari e do Projeto Portinari — presença ilustre na noite de abertura da exposição.

"Nem todos sabem disso, mas Portinari foi um tremendo desenhista. Ele era um menino pobre que, já no Rio de Janeiro, se matriculou na Escola Nacional de Belas Artes com quase 16 anos. Ele aprendeu com grandes mestres e a obra gráfica é extraordinariamente reveladora do processo de criação dele. Meu pai, para citar um exemplo, fez mais de 200 estudos durante quatro anos antes de chegar aos painéis propriamente ditos de Guerra e Paz (dois quadros produzidos pelo pintor entre 1952 e 1956, encomendados pelo governo brasileiro para presentear a sede da Organização das Nações Unidas em Nova York)", explica João Candido.

Gratuita, a mostra fica aberta para visitação de 5 julho a 27 de agosto. A exposição é dividida em núcleos temáticos: estudos para painéis; cenas de trabalho; ilustrações; crianças; retirantes; figura humana; cenas religiosas e Guerra e Paz.

Para Perlingeiro, Portinari é um artista de uma ética profunda e ímpar. "Falar de um artista humanista é fundamental num momento tão difícil, onde o ser humano está relegado ao quinto plano. A arte sempre foi uma caixa de ressonância muito grande: os artistas colocam o dedo na ferida de uma forma bastante acentuada. Portinari era um humanista. Ele vem de origem muito humilde, de uma família de imigrantes italianos. Quando ele volta ao Brasil, após ganhar uma bolsa para estudar fora, o modernismo estava fervilhando. Mario de Andrade fala: 'Uma das maiores promessas do Salão Modernista é o jovem Portinari'. O Ceará merece essa mostra", conclui.

Bia, Max e Victor Perlingeiro

Foto: PORTAL IN - Balada IN

  • Cândido Portinari (1903-1962)
    Cândido Portinari (1903-1962)
  • João Cândido Portinari
    João Cândido Portinari
  • João Cândido Portinari
    João Cândido Portinari
São Luiz

Shopping Iguatemi atrai a criançada com contações de histórias

10 de Agosto de 2018 . Por Gabriela Santiago

O Iguatemi Fortaleza promove mais um domingo com atividades voltadas para o público infantil. Envolvendo personalidades do mundo da arte, o Projeto Tarde com Arte, uma parceria com a Universidade de Fortaleza, apresenta o espetáculo Pincelando Cores e Traços, com contações de histórias sobre dois pintores: Antônio Bandeira e Cândido Portinari.

A ideia é promover uma viagem no tempo, tendo como personagens grandes artistas plásticos e suas criações. A partir das 17 horas, os atores contarão histórias sobre a vida e a obra de artistas, levando as crianças para um mundo ao mesmo tempo lúdico e mágico.