Há um tempo que a Road In vem “cantando a pedra”: o mundo atualmente pertence aos SUV. Pois olha só essa notícia: a Toyota Motor Corporation e a Subaru Corporation (Subaru) anunciaram que irão desenvolver conjuntamente uma plataforma dedicada a veículos elétricos a bateria (BEVs) de médio e grande porte e um SUV BEV para venda sob a marca própria de cada empresa. 

Combinando suas respectivas fortalezas, como as tecnologias de tração nas quatro rodas que a Subaru domina há muitos anos, e as tecnologias de eletrificação de veículos que a Toyota está empregando para reunir outras empresas que compartilham suas aspirações, as duas empresas pretendem enfrentar o desafio de criar produtos atraentes com apelo que somente os BEVs podem oferecer.

Desde a conclusão de um acordo de colaboração comercial, em 2005, a Toyota e a Subaru vêm aprofundando sua cooperação em vários campos, incluindo desenvolvimento, produção e vendas. Os exemplos incluem os esforços que levaram ao início das vendas do Toyota 86 e do Subaru BRZ, desenvolvidos em conjunto, em 2012, e o início das vendas do híbrido-elétrico original (HEV) Subaru Crosstrain Hybrid nos Estados Unidos, que recebeu conhecimento relacionado às tecnologias HEV da Toyota.

A indústria automotiva está no meio de um período de transformação profunda que ocorre uma vez em cada século. Começando com as respostas ao acrônimo que vem dominando a indústria automotiva atualmente – CASE, que significa Conectividade, Direção Autônoma ou Assistida, Nova Mobilidade ou Compartilhamento de Carros, e Eletrificação, a Toyota e a Subaru se encontram diante da necessidade de condução do desenvolvimento tecnológico com um senso de velocidade em um amplo espectro de iniciativas. Baseando-se em seus laços de colaboração, o novo acordo anunciado representa uma nova área de colaboração que se concentra especialmente na necessidade urgente de responder ao domínio "E" do CASE, ou seja, conjuntos de motorização e componentes eletrificados.

Atualmente, abordar a eletrificação de veículos é obrigatório, devido a questões energéticas e a políticas governamentais de cada país ou região, bem como devido às diferenças nas regulamentações ambientais, nas etapas de preparação da infraestrutura e nas necessidades do mercado por veículos elétricos, eficiência e rápido desenvolvimento de produtos adequados.

Além disso, a comercialização de BEVs requer o uso de baterias de grande capacidade e, junto com a popularização de veículos com este tipo de propulsão, demanda uma nova dimensão para o fornecimento de baterias. Com as diferenças na forma como os carros serão utilizados e ao estado da construção da infra-estrutura, uma nova abordagem nos métodos de vendas também será necessária. Essas e outras questões apresentam um crescente número de desafios relacionados a custos, suprimentos e formas de vender.

Para responder com um senso de velocidade às diversas necessidades desses mercados e a múltiplos desafios, a Toyota e a Subaru acreditam que seja necessário buscar um modelo de negócios que vá além das convenções, cruzando fronteiras industriais junto com vários tipos de outras entidades que compartilhem suas aspirações. Como um primeiro passo nessa direção, ao acelerar a produção reunindo tecnologias que representam os pontos fortes de cada empresa e cooperando sempre que possível, as duas companhias desenvolverão conjuntamente uma plataforma dedicada ao BEV. A plataforma será desenvolvida para ser amplamente aplicável a vários tipos de veículos, incluindo sedãs e SUVs de segmento C e D, bem como ao desenvolvimento eficiente de modelos de veículos derivados.


Ao longo do mês de julho, a Harley-Davidson do Brasil, juntamente com a Newroad - concessionária da marca, em Fortaleza, oferece condições únicas para a compra de diversas motocicletas da linha 2019, das três famílias: Sportster, Softail e Touring.

A mais nova Sportster da marca, a Iron 1200 conta com o motor Evolution de 1.202 cm³ de cilindrada, acabamentos escurecidos, muita atitude e pegada urbana, além de contar com um grafismo ousado e retrô no tanque de combustível, remetendo à década de 1970. Até o dia 31 de julho de 2019, a motocicleta Iron 1200, ano/modelo 19/19 tem seu preço de R$ 46.900,00 por R$ 43.900,00. Além das condições anteriores, a Iron 1200 é a única a contar com uma oferta exclusiva de financiamento, podendo ser adquirida com 30% de entrada, saldo em 48 vezes e taxa de 0,99%, valendo até o fim de julho de 2019.

Já a Fat Boy, uma aclamada estrela de cinema, é equipada com o motor Milwaukee-Eight 107 com 1.745 cm³ de cilindrada, que entrega 14,89 kgf.m de torque a 3.000 rpm. A moto, de ano/modelo 19/19, tem seu preço de R$ 72.900,00 por R$ 69.900,00 durante todo o mês de julho de 2019. Além desta oferta, quem utilizar uma motocicleta usada na compra da Fat Boy nessas condições terá uma supervalorização de R$ 5 mil.

A Harley-Davidson Fat Bob 114, também pertencente à família Softail e um grande sucesso pela revolução em seu design foi considerada a melhor motocicleta Custom de 2018 pela revista Motoaction. Essa motocicleta tem seu preço de R$ 72.900,00 por R$ 69.900,00 até o dia 31 de julho. Para quem for utilizar uma motocicleta seminova como parte do pagamento contará com uma supervalorização de R$ 5mil reais no modelo anterior, tudo isso para tornar mais fácil a realização do sonho de possuir uma Harley-Davidson.

As representantes da família Touring a integrar as condições do mês são as motocicletas Road Glide Ultra e Ultra Limited (ano/modelo 19/19), equipadas com o motor Milwaukee-Eight® 114. Quem utilizar uma moto seminova na compra de um dos dois modelos também contará com a supervalorização de R$ 5 mil, condição válida até o dia 31 de julho de 2019.


As motocicletas da Harley-Davidson do Brasil estão disponíveis para test ride em toda a rede de concessionárias autorizadas da marca no País, de acordo com a disponibilidade dos modelos na rede. Para agendar, basta acessar o site https://harleydavidsonbr.secure.force.com/TestRide e se inscrever. Para consultar a loja Harley-Davidson mais próxima, acesse www.harley-davidson.com/br/pt/find-a-dealer.html.

A Audi do Brasil promoveu em São Paulo, evento que marca a pré-estreia do longa Homem-Aranha: Longe de Casa. A fabricante alemã é patrocinadora oficial do mais novo filme do Universo Cinematográfico Marvel, distribuído pela Sony Pictures, que conta com participação do Audi A7, Q8 e do elétrico e-tron. 

Os modelos Q8 e A7 são alguns dos grandes lançamentos da Audi no Brasil para este ano. O primeiro combina o melhor de dois mundos – a elegância de um cupê de quatro portas de luxo e a conveniente versatilidade de um SUV de grande porte. O A7 incorpora atributos de um novo estilo de Gran Turismo, que traduz a essência da nova linguagem de design da marca. 

Já o Audi e-tron é o primeiro SUV totalmente elétrico produzido em série pela fabricante alemã. Com tecnologia de ponta, faz de 0 a 100km/h em 5,7 segundos com overboost, possui autonomia aproximada de 400 quilômetros e pode recarregar até 80% da bateria em 30 minutos. 

“Depois da nossa participação no Vingadores: Ultimato, um filme que quebrou praticamente todos os recordes, agora é a vez de darmos sequência com a saga do Homem-Aranha. O longa estreia no segundo semestre, período em que teremos também o lançamento do Q8 e do A7 no Brasil. Será uma excelente oportunidade para os consumidores terem uma ideia do que vem por aí, com todo o cenário dessa produção extraordinária”, diz Cláudio Rawicz, diretor de comunicação da Audi do Brasil. 

Após os eventos de Vingadores: Ultimato, o Homem-Aranha deve se apresentar para assumir novas ameaças em um mundo que mudou para sempre. O filme se passa em alguns dos cenários turísticos mais icônicos no mundo e é dirigido por Jon Watts, escrito por Chris McKenna e Erik Sommers, baseado no livro Marvel Comic Book de Stan Lee e Steve Ditko e produzido por Kevin Feige e Amy Pascal. 

Para Márcio Avólio, gerente de marketing da Audi do Brasil, “a participação dos veículos Audi em filmes marcantes estão em linha com nossa estratégia de inovar e participar mais ativamente de um ambiente jovem, moderno e digital. É uma forma de fortalecer a imagem de tecnologia e inovação que são inerentes à marca e que estão muito presentes nos veículos Q8, A7 e e-tron que participam do longa”. 

Feira de Ciências

Pouco antes da estreia do filme, a Audi se uniu à Sony Pictures Entertainment para divulgar um conteúdo digital exclusivo para a estreia "Homem-Aranha: Longe de Casa". O curta-metragem intitulado “Science Fair” apresenta Peter Parker (Tom Holland) e seu melhor amigo Ned (Jacob Batalon) em uma competição na feira de ciências da escola. Para salvar a apresentação, Peter corre contra o tempo para mostrar um avanço científico perfeito: o conceito totalmente elétrico Audi e-tron GT. O curta digital está disponível em https://youtu.be/4-jGd8vPvjE. 

Audi e Marvel

A Audi e a Marvel Studios estão juntas desde o início do Universo Cinematográfico Marvel. A aparição inicial de um automóvel Audi nos filmes do estúdio foi em 2008, no primeiro filme da trilogia do Homem de Ferro, com um Audi R8 Coupé. No Homem de Ferro 2, em 2010, o aguardado Audi R8 Spyder foi visto em algumas tomadas na filmagem. O terceiro longa contou com o R8 e-tron, uma versão elétrica conceito do esportivo. O personagem Tony Stark, o Homem de Ferro nas películas, ainda desfilou um R8 Coupé em outros filmes da franquia, como “Vingadores: Era de Ultron” e “Capitão América: Guerra Civil” – neste último um Audi SQ7 é utilizado pelo personagem Capitão América. Na trama mais recente de “Vingadores: Ultimato”, o novo veículo do personagem Tony Stark é o 100% elétrico e-tron GT. No filme o Audi e-tron Sportback concept também faz uma participação especial. 

São Luiz

Dirigindo o apimentado HR-V nas rodovias

01 de Julho de 2019 . Por Jota Pompílio


O modelo testado da semana pela Road In foi o Honda HR-V Touring 2020, isto é, o único que é turbinado da linha, cedido gentilmente pela concessionária Novaluz, em Fortaleza.  O HR-V chega ao mercado com renovação visual bastante atraente para brigar diante dos principais rivais: Jeep Compass e Renegade, Hyndai Creta e o novato T-Cross. É bom salientar que o crossover da marca japonesa é o produto mais vendido da Honda e já emplacou mais de 186 mil unidades desde 2015, logo assumindo a posição de liderança no segmento de utilitários esportivos.

Fabricado em São Paulo, o Honda HR-V 2020 ganhou não só retoques no visual, mas também alterações mecânicas e de tecnologia para tornar-se mais confortável e conectado. O que testamos é o top de linha, “motor 1.5 apimentado, teto solar, antena tubarão e sistema lane watch que reduz o ponto cego”, descreve Thiago Araújo – gerente da Novaluz, na Av.Washington Soares. De acordo com ele, as vendas vão bem e a procura pelo o modelo é bastante requisitada. “Os clientes se encantam ao fazer o test drive”, ressalta. 

Impressões

Pegamos o Honda HR-V Touring e saímos de Fortaleza para Paracuru, cerca de uma hora e vinte da capital cearense. Ao dar a primeira curva nas imediações da autorizada, eu já gostei, pois aparece uma câmera visualizando tudo o que acontece a sua direita! Ideal até para “não fechar” motociclista que insiste ultrapassar em curvas pela direita! A verdade é que o SUV recebeu outras mudanças mecânicas para receber o propulsor 1.5 VTC Turbo, que tem duplo comando de válvulas variável, diferente do VTEC, que tem apenas um. É bom lembrar ao internauta que o motor é o mesmo usado no Civic Touring e vem com 173 cavalos a 5.500 rpm e 22,4 kgfm a 1.700 rpm. Um foguete, né?

Dirigindo nas rodovias, o carro esbanja confiança em ultrapassagens. Silencioso, com vidros fechados, o isolamento acústico é perfeito e os assentos adaptam a sua postura e tamanho. Por dentro, traz ótimos acabamentos e a quantidade de porta-objetos agradam.

Na estradas, no modo Sport, a rotação fica 1.000 rpm acima, mesmo aos 110 km/h e deixa o motor mais cheio, melhorando mais as respostas nas retomadas.

Quando o assunto é dirigibilidade, o Honda HR-V Touring vem com calibragem mais firme de molas e amortecedores, assim como melhor isolamento acústico (tal como na linha 2020) e barras estabilizadora dianteira maior. O crossover japonês tem direção com resposta direta do controle de estabilidade, ajudando muito em curvas fechadas e mudanças rápidas de direção.

Mais “no chão”, o Honda HR-V Touring, nesse aspecto, mostra-se mais ágil que, por exemplo, o Volkswagen T-Cross Highline, pois, sua suspensão é mais firme e o handling mais acertado para a performance do carro. Ainda assim, o utilitário esportivo passa bem por pisos imperfeitos e ondulações exageradas. Os freios também atendem muito bem no crossover turbinado.

No geral, a condução do Honda HR-V Touring foi a esperada, com o CVT combinando bem com a grande força do 1.5 VTC Turbo. É como a própria marca indica, não se trata de um esportivo, mas de um carro com uma performance melhor para qualquer situação e, nisso, o modelo parece cumprir bem sua tarefa. O SUV mais vendido da marca custa R$ 141.400,00 na Novaluz. Vale a compra? Mas é claro que sim e não custa nada lembrar que em revenda, é o modelo menos desvalorizado do mercado!









  

Beach Park

Volkswagen T-Cross: pequeno, mas enorme para peitar rivais

27 de Junho de 2019 . Por Jota Pompílio

“Antes tarde que nunca!”. O provérbio diz tudo, pois a Volkswagen demorou, mas finalmente decidiu entrar de vez em um dos segmentos mais aquecidos do mercado brasileiro, o de SUV. Com o inédito T-Cross, a marca alemã entra de vez na disputa contra nada mais nada menos que Jeep Renegade, Hyundai Creta, Honda HR-V e cia. 

Na Fazauto – uma das autorizadas da marca, em Fortaleza, o Road In foi conhecê-lo de perto e deu uma volta no tão badalado modelo que já está entre os quatro primeiros em emplacamentos no Brasil. Na concessionária cearense da Volkswagen, por exemplo, o gerente comercil Maurício Vieira me confessou que a versão “mais vendida é a 200 TSI confortline. Essa é a versão intermediária do portfólio do T-Cross”.   

De acordo com ele, tem sido um sucesso o lançamento do T-Cross e foi o carro mais procurado no mês de junho no showroom da autorizada. “As vendas têm acontecido dentro da nossa expectativa e o modelo ajudou a impulsionar o segmento, que cresceu com a chegada do T-Cross”.

Impressões

Com a versão top de linha, a Highline, a minha rota foi de Fortaleza até a praia do Presídio, em Aquiraz. Cerca de 40 min da capital alencarina. Embora na categoria de SUV compacto, o espaço a bordo é formidável. No assento da direção, a posição de dirigir é ótima e no volante há vários comandos que te dão mais praticidade. 

Nas rodovias, tanto nos modos “normal” e “eco”, o T-Cross turbo de 150 cv, motor 1.4 e injeção direta, oferece respostas imediatas ao acelerador, elevando rapidamente o giro, mas não muito, já que o torque é abundante. A aceleração é vigorosa e pode-se notar a “frente querendo sair” diante da força generosa. Isso é ótimo em ultrapassagens e te dá segurança a mais. 

Ah, as retomadas são excelentes, especialmente no modo Sport com o câmbio em S, fazendo o giro ficar em 4.000 rpm e mantendo o motor cheio nas desacelerações, esperando o comando para lançar o T-Cross em movimento. O ponteiro chega a pouco mais de 6.000 rpm e muda de marcha, dando ainda mais fôlego.

Rodando a 110 km/h, a rotação fica em 2.000 rpm. No trânsito urbano, gira em torno de 1.500 rpm. O ronco vigoroso do 1.4 TSI empolga, ainda mais que motor e câmbio, de mudanças macias e precisas, apesar das relações altas serem mais longas que o esperado. O T-Cross 250 TSI tem desempenho acima da média do segmento, sem dúvida. 

A direção elétrica é agradável e precisa, ainda mais no modo Sport, quando fica mais firme. Os freios são mais do que suficientes e dão conta mesmo de uma condução esportiva. Senti também que a suspensão tem calibragem mais para conforto do que para estabilidade. Entretanto, nas curvas, não gera insegurança. Pelo contrário, a tendência é atenuada pelo bom conjunto rígido MQB e rodas aro 17 com pneus bem largos. 

Não decepciona em curvas, mas não espere um conjunto digno de esportivo. A missão é entregar conforto e isso significa mais maciez. Com posição de dirigir elevada, vai agradar quem aprecia isso em SUV.

No geral, o T-Cross 250 TSI é um corredor com mais fôlego que o necessário, tendo um bom controle e oferecendo muito conforto ao rodar. Em seu conteúdo, seu recheio é muito bom, enquanto no acabamento, foca mais no visual do que no material, buscando o que encanta aos olhos. 

Para Maurício, dois fatores chamaram sua atenção. “A gama tecnológica do carro é espetacular. Vários atributos que só conseguíamos encontrar em SUVs premium de valores bem superiores, e agora estão presentes no T-Cross, que é um SUV bem mais acessível financeiramente. Outro ponto que destacou foi a economia “que também chama muita atenção, a eficiência dos motores TSI e extraordinária, conseguindo ser até 25% mais econômicos. Atributo bastante relevante para decisão de compra dos clientes”, pondera.

Mais atrativo

E para finalizar, Maurício ressalta que para o mês de junho e julho além das 3 primeiras revisões gratuitas, “estamos ofertando R$ 5.000,00 de bônus no usado para a troca no T-Cross aqui na Fazauto”. Bom falta de incentivo é o que não falta. Vamos dar um pulo lá?

Preços das versões

T-Cross tsi 200 manual - R$ 84.990,00

T-Cross tsi 200 automático. - R$ 94.990,00

T-Cross tsi 200 confortline R$ 99.990,00

T-Cross tsi 250 highline R$ 109.990,00