Para quem gosta de SUV premium aí vai a boa notícia: de acordo com a BMW, ela está com condições especiais de vendas para o modelo X1 em celebração à marca de 15 mil unidades fabricadas no Brasil e vendidas no mercado nacional. Além deste importante marco interno, o BMW X1 — SUV premium mais comercializado há dois anos no Brasil — está sendo comercializado, na versão de entrada sDrive20i GP, de R$ 191.950,00 por R$ 179.950,00. 

A BMW Haus – concessionária da marca em Fortaleza - reforça que o modelo também está com condições especiais de financiamento, com taxa de 0,59%, após entrada de 60% mais 24 parcelas de R$ 589,00, além de parcela final.  “O BMW X1 é um modelo versátil, robusto e inovador e não por acaso é líder entre os utilitários premium no país. Dessa forma, estamos comemorando o marco de 15 mil unidades nacionais vendidas oferecendo condições especiais ao público”, destaca Roberto Carvalho, Diretor Comercial da BMW do Brasil.  

BMW verde e amarelo

Lançado no Brasil em 2010, o BMW X1 iniciou sua produção nacional em Araquari (SC) em novembro de 2014. Nesse período de quase nove anos, o modelo acumula um total de 28 mil unidades (importadas mais nacionais) comercializadas no país, ou cerca de 1/4 (26%) do total de veículos da marca vendidos no período.

Atualmente, o modelo é vendido nas versões sDrive20i GP, sDrive20i X Line (R$ 208.950,00) e X1 xDrive25i Sport (R$ 232.950,00), todas com motor de quatro cilindros em linha. Nas versões com motor 20i, de 1.998 cm³, a potência é de 192 cv e o torque máximo de 280 Nm. Neste caso, ambos são conectados ao câmbio automático esportivo Steptronic, de oito marchas. A opção top de linha xDrive25i traz o mesmo conjunto mecânico, porém com 231 cv e 350 Nm de toque, e acoplado à tração integral inteligente BMW xDrive. Todos são dotados de tecnologia TwinPower Turbo ActiveFlex. 


Muita gente costuma se preocupar com a troca de óleo e filtros, a checagem de desgastes de pneus e as pastilhas de freio. Porém, há um item muito importante que fica fora: o sistema de arrefecimento. Para quem não sabe, o sistema de arrefecimento é responsável por manter o veículo a uma temperatura ideal de funcionamento, sempre na faixa dos 88 a 90º Celsius. Com isso, sua função é manter o motor resfriado o suficiente para que as peças não superaqueçam e se deteriorem com o calor, porém sem deixá-lo frio demais, pois isso aumenta o trabalho do motor e, consequentemente, o consumo de combustível.

Quando não dá certo

Quando um sistema de arrefecimento opera inadequadamente é provável que ações preventivas não tenham sido aplicadas e os sinais de desgaste das peças não foram notados. De acordo com a Petroplus, fabricante da linha de fluídos de arrefecimento da marca Celsius, tão essencial quanto uma troca regular de óleo, é checar se o fluído dentro do radiador está no nível recomendado pelo fabricante. Caso esteja um pouco abaixo da marcação interna da peça, a sugestão da empresa é completar com um aditivo de arrefecimento na mesma cor original usada pelo fabricante do veículo.

Porém, se mesmo após a aplicação de fluído voltar a baixar, é imprescindível dirigir-se até uma concessionária ou centro automotivo para verificar o que está acontecendo. 

“Completar o fluído do radiador com muita frequência, pode mascarar alguns problemas. É aceitável que um motor perca, por exemplo, uma média de até 50 ml de fluído a cada 5 mil quilômetros rodados. Mais do que essa perda significa que o sistema de arrefecimento apresenta algum vazamento”, esclarece Silvio França, supervisor de P&D da Petroplus.

A Road In traz para você ficar esperto para alguns dos problemas mais comuns causados pelo funcionamento irregular do sistema de arrefecimento do motor de um veículo:

Superaquecimento do motor 

É aquela situação em que as pessoas popularmente dizem que o “motor ferveu”. Uma boa medida preventiva neste caso é acompanhar possíveis alterações no medidor de temperatura no painel interno no veículo. Se o motorista ouvir a ventoinha do carro ligando com muita frequência por muito tempo, também pode ser um sintoma de problema. Um nível baixo de fluido de arrefecimento é provavelmente uma das causas mais comuns de superaquecimento. O fluido de arrefecimento é necessário para manter o funcionamento do motor do carro dentro de temperaturas normais. Para isso, é imprescindível usar a proporção de aditivo na água desmineralizada corretamente, e jamais colocar apenas água pura no reservatório de líquido de arrefecimento. Para evitar dúvidas, a melhor saída é utilizar as soluções arrefecedoras, pois essas já vem diluídas nas proporções corretas e protegem adequadamente o motor do veículo. 

Oxidação de peças de arrefecimento 

Entre as várias funcionalidades do fluído de arrefecimento a principal é a prevenção de ferrugem de peças como a bomba d’agua. Quando o aditivo em uso possui mais de dois anos de uso, pode perder suas propriedades antioxidantes que protegem o motor contra o processo de corrosão por ferrugem ou corrosão por cavitação, isto é, bolhas que podem gerar a corrosão das peças metálicas do sistema, entre elas, o radiador, dificultando a refrigeração e o funcionamento correto do motor. Acompanhar a temperatura do veículo também é uma boa prevenção neste caso.

Alto consumo de combustível 

Quando o motor de um veículo trabalha em uma temperatura irregular, é comum que ocorra um consumo de combustível acima da média. Por isso, é muito importante que o motorista calcule periodicamente quantos quilômetros seu veículo está fazendo a cada litro de combustível e compare esse resultado com a recomendação do fabricante. Qualquer alteração precisa ser averiguada e o sistema de arrefecimento pode ser um dos responsáveis. 

Por fim, o especialista Silvio França, da Petroplus, ressalta que ao observar qualquer uma das alterações acima, os proprietários dos veículos devem procurar um profissional especializado em concessionárias e oficinas mecânicas para que um diagnóstico completo do sistema de arrefecimento seja realizado, para uma eventual substituição de peças, limpeza do sistema de arrefecimento utilizando um limpa radiador e a aplicação correta de solução de arrefecimento.




A Volvo revela esta semana a aguardada nova geração do S60, sedã médio-grande da marca sueca que atua na mesma categoria do BMW Série 3, Mercedes-Benz Classe C e Audi A4. A nova geração do S60, sedã médio híbrido da Volvo, está exposta em São Paulo, no shopping JK Iguatemi. O carro, produzido nos EUA, deve chegar ao mercado brasileiro no segundo semestre de 2019. Em Fortaleza, a marca é representada pela GNC Suécia.

O sedã conta com duas opções de motorização a gasolina: T5 de 254 cavalos de potência e T6 com 320 cavalos. E três opções de motor híbrido: T6 de 340 cv, T8 com 407 cv e T8 com 415 cv de potência.

Além do S60, a marca colocou em exposição a versão híbrida dos utilitários esportivos XC60 e XC90 e do sedã S90. Os modelos ficarão expostos até o dia 31 de março de 2019.

Hakan Samuelsson, presidente e CEO da Volvo Cars, classificou o novo S60 como “um dos carros mais empolgantes da marca” e não é sem motivo. A nova geração do sedã terá em sua versão topo de linha um poderoso conjunto híbrido plug-in, no caso o T8 AWD, que entregará mais de 400 cv de potência. Haverá também outra opção plug-in, no caso a T6 AWD, com potência combinada superando os 360 cv. Ambas, como as siglas indicam, contam com tração integral.


Líder no mercado premium no Ceará, a autorizada cearense da Mercedes-Benz e Jeep, em Fortaleza, a Newsedan, está com uma proposta no mínimo ousada. Batizada de “Negócios Relâmpago Newsedan”, a empresa está disposta a fazer qualquer negócio para você sair de Jeep ou uma Mercedes-Benz! A iniciativa que começou ontem, segue hoje e finaliza amanhã, sábado. Na prática, são 72 horas de negociações.

Quais os atrativos?

Do lado da Mercedes-Benz, de acordo com Eduardo Weimar, gerente da marca alemã, além da taxa zero para financiamento de veículos das linhas Classe C, GLC e GLA ano 2018, modelo 2019, “haverá super avaliação no seu usado na hora da compra”, ressalta.

 “Dudu” explica que a proposta do cliente, seja qual for, também é bem-vinda e passível de análise. Quem sabe você consegue encaixá-la e sair a bordo de um SUV Compass ou um sedan de luxo Classe C? “A ordem é não deixar o cliente sair sem um modelo zero-quilômetro”, diz.  

Do lado da Jeep e de uma forma geral, Ana Furtado, gerente da Newsedan Jeep, avalia que o objetivo da “Rodada de Negócios” é levar ao mercado algo diferenciado que impacte na decisão de compra dos nossos produtos em  três dias de vendas dando possibilidades aos clientes de fazerem sua proposta para fechar o negócio na hora”.

Ela exemplifica que há alguns produtos com preço diferenciado. “Um exemplo é o Renegade, automático, por 69.990,00. Temos também taxa zero, bônus na avaliação e descontos dependendo da modalidade da compra que pode chegar até 30.000,00”, pondera. Além do Renegade, o Compass, líder em vendas em seu segmento, entra na oferta promocional.

 Reforçando

A ação especial de vendas, iniciou ontem e segue até este sábado. De acordo com a administração, quem comparecer, verá que é um show de oferta e que movimentará o setor automotivo no Estado.

Já pensou duas concessionárias de marcas diferentes em uma só?  Segundo a Audi e a Ducati do Brasil isto é possível sim! E o fato aconteceu em Campo Grande-MS, o primeiro modelo de concessionária integrada no País. Será a primeira vez que se comercializa as motocicletas da empresa italiana ao lado dos veículos alemães que já são vendidos na cidade. Se a "moda" pegar, Fortaleza corre um sério risco de adotar esse sistema assim como as outras capitais.

O novo formato incluirá um espaço exclusivo de 100 metros quadrados para motocicletas com oficina e pátio. Já a área de showroom apresentará um novo modelo de exposição - as motocicletas estarão distribuídas pela concessionária ao lado dos carros da Audi, exemplificando a sinergia entre os modelos de quatro e duas rodas.
 

“Esta inauguração representa um benefício direto aos nossos consumidores, pois eles terão a chance de ver em um mesmo local produtos Audi e Ducati, que trazem em seu DNA muita tecnologia, sofisticação e esportividade”, afirma Johannes Roscheck, CEO e presidente da Audi do Brasil.
 
Com a chegada da Ducati, a concessionária passa a oferecer um portfólio de produtos ainda mais sofisticado, como os modelos da linha Multistrada, família Panigale, e modelos da família Monster, Diavel e XDiavel, Scrambler e Supersport. Os modelos complementam a extensa lista de veículos Audi já vendidos na região com as famílias A, Q e os esportivos da Audi Sport.
 
A expectativa com a nova Ducati Campo Grande é suprir as mais variadas necessidades dos clientes, através de produtos, serviços e uma plataforma de experiência exclusiva. “Assim como nós, o campo-grandense é apaixonado por duas e quatro rodas, por isso, o mercado da região é muito promissor e deverá superar as expectativas”, prevê Diego Borghi, presidente da Ducati do Brasil

Esta será a décima concessionária da marca italiana no País, a primeira na cidade. Está localizada na Av. Afonso Pena, 5720, no bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande/MS, região nobre para o setor automotivo e local privilegiado da capital sul- mato-grossense.