LDB (bonificação)

Finalmente, valeu a espera! McLaren Senna desembarca no Brasil

23 de Outubro de 2018 . Por Jota Pompílio

Um dos modelos de rua mais radical, ousado e produzido até hoje pela montadora premium inglesa, tem tudo para ser a principal atração do Salão do Automóvel de São Paulo 2018, em novembro. Para os fãs, um evento inesquecível a presença do McLaren Senna. 

Segundo a McLaren, a cor Delta Red, a máquina vai estar exposta entre os dias 08 e 18 de novembro no estande da marca SENNA, montado na área Vip Dream Lounge do evento. Pela primeira vez, o público brasileiro e os fãs do piloto Ayrton Senna poderão ver de perto um dos veículos mais potentes, rápidos e com melhor aerodinâmica do mundo.

“O McLaren Senna foi escolhido a dedo para representar a marca SENNA na categoria de superesportivos. Estamos muito felizes de poder trazer este carro ao Brasil para que os fanáticos por carro e os fãs de Ayrton Senna possam vê-lo mais de pertinho. Durante todo este ano fizemos eventos para mostrar o carro ao redor do mundo, e o Salão do Automóvel não poderia faltar”, afirma Bianca Senna, CEO responsável pela marca SENNA.

Além do superesportivo, a marca SENNA vai expor também no salão o carro de corrida de Fórmula 1 MP4/6, que foi utilizado pelo piloto Ayrton Senna, em 1991, quando ele conquistou a sua primeira vitória no Grande Prêmio do Brasil, em Interlagos.

Sucesso

As 500 unidades que estão sendo produzidas na McLaren Automotive, em Woking, na Inglaterra, foram imediatamente comercializadas. Três delas para o mercado brasileiro e por aproximadamente R$ 8 milhões cada uma. A primeira delas deve chegar ao País até o final do primeiro semestre do ano que vem. A marca tem uma concessionária em São Paulo. 

 

O que é capaz

Inspirado no comportamento diferenciado e competitivo do tricampeão mundial de Fórmula 1 Ayrton Senna, o novo McLaren Senna é o carro de estrada mais rápido de toda a história da McLaren: atinge velocidade máxima de 340 km/h e acelera de 0 a 200 km/h em apenas 6,8 segundos. Faz de 0 a 100 km/h em excepcionais 2,8 segundos!

Este desempenho alucinante é proporcionado pelo motor V8 bi-turbo, de 4 litros, com 800 cavalos de potência máxima (a maior entre todos os modelos de rua da marca) e 800 Nm de torque, sendo 700 Nm disponíveis a apenas 3.000 rpm.

Outra tecnologia avançada do superesportivo está em sua aerodinâmica de chassi proporcionada pela combinação revolucionária da suspensão desenvolvida para o McLaren P1 ™ com a mais recente criação de controle denominada RaceActive Chassis Control II (RCC II).

Esta suspensão inovadora proporciona desempenho inigualável. O sistema de suspensão de última geração foi projetado para gerar e gerenciar incríveis cargas aerodinâmicas e criar um desempenho de pista sem concessões. O RCC II permite que a McLaren Senna seja conduzida na estrada com relativo conforto; no entanto, selecione o modo Race e o superesportivo pode oferecer uma volta verdadeiramente incrível, com níveis de downforce nunca antes vistos em um carro de estrada, e rigidez de rolamento que é comparável a um carro de corrida com especificação GT3. 

Além da exclusiva suspensão, o McLaren Senna tem outros elementos aerodinâmicos ativos, incluindo a gigantesco aerofólio traseiro duplo controlado por um sistema hidráulico. Sua atuação lembra a asa de um carro de Fórmula 1, já que ele se reposiciona constantemente para aumentar o nível de pressão aerodinâmica, além de atuar como freio aerodinâmico em velocidades altas. Todas as tomadas de ar são funcionais, inclusive aquelas presentes abaixo dos faróis e das lanternas.

O McLaren Senna produz até 800kg de downforce - 200kg a mais que o McLaren P1 ™ - e os flaps dianteiros e a asa traseira ativos são fundamentais para desbloquear esse desempenho aerodinâmico. O inovador aerofólio ativo aproveita o fluxo de ar, otimiza o equilíbrio do veículo e mantém a janela aerodinâmica o mais ampla possível. Isso abre o potencial da McLaren Senna e permite que o motorista se aproxime cada vez mais dos limites do carro.

Colaboram também os pneus especiais Pirelli P Zero Trofeo R 245/35 ZR 19 na frente e 315/30 ZR 20 na traseira, que envolvem as rodas de alumínio ultraleves com uma porca central – como em um carro de competição.

TECER NOTAS ATE 21 SETEMBRO

Ford GT aumenta a produção devido à alta procura

22 de Outubro de 2018 . Por Jota Pompílio

Se há um segmento que nunca sai de moda são os carros esportivos. E imagina os superesportivos! Estes parecem que foram feitos para o deleite de nossos olhos! Bom, o fato é que a norte-americana Ford acaba de anunciar que a produção do superesportivo Ford GT será ampliada em aproximadamente dois anos para atender à forte demanda dos clientes. A companhia produzirá, no total, cerca de 1.350 unidades para consumidores do mundo todo até 2022.

A partir de 8 de novembro, os pedidos serão reabertos por um mês para compradores em mercados selecionados que desejam se juntar ao seleto grupo de proprietários do modelo mais exclusivo produzido pela Ford. Os potenciais clientes poderão fazer a inscrição no site FordGT.com e os selecionados terão uma experiência de compra personalizada por meio do Serviço de Concierge Ford GT.

“Houve uma procura sem precedentes pelo modelo, com a demanda superando a oferta em mais de seis para um”, disse Hermann Salenbauch, diretor da Ford Performance. “Ao prolongar a produção do Ford GT por um período limitado, conseguimos manter a exclusividade do superesportivo, que é um objeto de desejo, ao mesmo tempo em que oferecemos a experiência de propriedade a um maior número de clientes.”


Anteriormente, a Ford havia anunciado a produção limitada a 1.000 veículos ao longo de quatro anos, que teve início em dezembro de 2016. O superesportivo tem sob o capô o motor  EcoBoost V6 biturbo de 3,5 litros, carroceria de fibra de carbono e atinge velocidade máxima de 347 km/h.

A empresa também anunciou recentemente uma nova versão Ford GT Heritage Edition, que celebra o 50º aniversário do Ford GT40, vencedor de Le Mans em 1968 e 1969. 

Pipo

Lexus NX 300 Híbrido: o que era bom, ficou melhor!

22 de Outubro de 2018 . Por Jota Pompílio

Depois de sentir o Lexus NX 300 a gasolina no mês passado, no último final de semana, foi a vez do híbrido - uma mistura de combustão e elétrico. Enquanto o UX não chega no Brasil, o NX é o menor SUV da linha Lexus e o que vende mais no mundo. Nos Estados Unidos é uma febre e é o mais vendido na categoria compacto / luxo, graças à reputação de qualidade da marca. 

Em Fortaleza, é um fato raro, mas na semana passada, flagrei dois Lexus (CT 200, RX 350) andando na capital cearense. Com o surgimento da autorizada ano que, sem dúvida, as vendas deverão aumentar. Em média, por aqui, a Lexus Fortaleza vende três modelos por mês.  Um dos pontos fortes é sua garantia, de quatro anos, independente da quilometragem. E oito anos para o sistema híbrido. 

Impressões

Premium, o design é super original. Uma vez olhando para seus contornos, jamais o esquece. Por dentro, o cockpit bicolor (rubro-negro) o abraça e tem conforto de longa distância para quatro adultos. Ao “dar na chave”, não se ouve um barulho. É preciso estar atento para ver se está ligado. “Ready” é o sinal. 

Na estrada, o modelo é impulsionado pela combinação de um motor 2.5 de quatro cilindros com 155 cv de potência e 21,4 kgfm de torque e dois elétricos (um na frente e outro atrás) que resultam em 194,45 cv de potência. A tração é sempre integral.

Umas das qualidades do híbrido é que ele é super silencioso. Outro ponto a favor é sua economia. Para se ter uma ideia, numa viagem que fiz de duas horas para Icaraizinho de Amontada, gastou-se um tanque de gasolina ida e volta. No híbrido, ele foi e voltou, mas com um pouco menos da metade do tanque. Com tanque de 56 litros, o Lexus NX 300h teoricamente pode percorrer 1.076 km sem reabastecimento na estrada. O SUV luxuoso tem 555 litros no bagageiro. Nos números do Inmetro, ele faz na cidade 12,6km/l. Na estrada, 11,2km/l.

Sem alterações visuais em relação à versão a gasolina, o SUV híbrido é equipado de série com 8 airbags, Isofix (para fixação de cadeirinhas infantis), controle eletrônico de estabilidade (ESP), assistente de partida em rampas, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, central multimídia com GPS e TV digital (com tela de 8 polegadas na versão Dynamic e 10 nas demais), , três modos de condução (ECO, Normal, Sport e EV), entre outros.

Só a versão mais cara, F-Sport, traz bancos com sistema de ventilação e aquecimento, head-up display (um mostrador de informações do veículo próximo ao para-brisa que evita que o motorista desvie o olhar do trajeto), teto solar panorâmico, sistema de suspensão adaptativo e um modo de condução a mais, o Sport+. Na Lexus Fortaleza, dentro do Shopping Riomar, no Papicu, há a versão de entrada, a Dynamic, que custa R$ 219.990,00. 

Embora novo – surgiu no Brasil há três anos, em 2015 - o Jeep Renegade passa por sua primeira reestilização e deve mexer no mercado atraindo mais atenções e compra. A linha 2019 do SUV, que é fabricada no Nordeste, em Pernambuco, traz novos elementos visuais e corrige alguns pontos para continuar entre os mais vendidos e acompanhar, pelo menos de perto, seu irmão e líder em vendas, o Compass. 

“Por ser um produto icônico, as mudanças não puderam ser radicais, mas foram cuidadosamente lapidadas, como design, capacidade de porta-malas, multimídia, conectividade, conforto e segurança”, ressalta Ana Furtado, gerente comercial da Newsedan, concessionária da marca, em Fortaleza, que acompanhou de perto as mudanças, na Bahia.

Realmente, em comum para todas as versões, o novo para-choque dianteiro melhora o ângulo de entrada das versões flex, enquanto a clássica grade em sete barras fica mais baixa, mas ainda se destaca no conjunto. Os novos faróis de LED, acompanhados dos neblinas também em LED, se tornam item de série nas versões Limited (flex) e Trailhawk (diesel), mantendo a iluminação halógena nas demais. 

Na traseira, há apenas uma nova maçaneta na tampa traseira, mantendo as mesmas lanternas, enquanto a Europa ganhou uma nova peça. As rodas variam de 16" a 19" com novos desenhos, dependendo da versão. Três novas cores entram no catálogo: Azul Jazz, Deep Brown e Cinza Antique (apenas Limited).

Conhecedora do produto, a profissional enfatiza que as características que mais gosta no Renegade são a robustez e o conforto, “mas a conectividade atrelada ao acesso dos comandos e sua ergonomia são itens que não somente me agradam, mas é perceptível que são valorizados por seus proprietários”, pondera Ana.  

Por dentro

No Novo Renegade, no interior, chegam a tão esperada central UConnect com tela de 8,4" e os comandos do ar-condicionado inspirados no Compass. A conectividade é reforçada pelo espelhamento de smartphones via Apple CarPlay ou Android Auto e comandos por voz. Nas proximidades da alavanca de câmbio, um espaço maior para objetos e, nas versões 4x4, o seletor sobe alguns centímetros para abrir espaço. O ar-condicionado, segundo a Jeep, ficou 20% mais eficiente em todas as versões.

Falando em versões, a oferta se modifica na linha 2019. A versão Custom não aparece mais no catálogo (ficando apenas a 1.8 flex, sem nome de versão, para o público PCD), com a Sport voltando a ser a de entrada. Única com opção de câmbio manual, ela adota apenas as mudanças estéticas da parte de fora, mantendo no interior a central multimídia com tela de 5", mas com os comandos do ar-condicionado analógico revisados. Câmera de ré e porta USB para os passageiros do banco traseiro são itens de série. 

O Renegade Longitude 2019 tem a nova central multimídia de 8,4" e versões flex (apenas automática) e turbodiesel AT9. A Limited agora traz sete airbags de série, até então um opcional de R$ 3.490, e o conjunto de iluminação em LED, este último também presente na Trailhawk. Os preços tiveram redução nas versões de entrada, mas os modelos a diesel estão mais caros, além de não haver mais versão Sport com propulsor a óleo. É bom salientar que a motorização é a mesma, de 1.8 flex e 2.0 turbodiesel

Confira:

MODELO PREÇO (LINHA 2019)

Jeep Renegade Sport 1.8 MT R$ 78.490

Jeep Renegade Sport 1.8 AT6 R$ 83.990

Jeep Renegade Longitude 1.8 AT6 R$ 96.990

Jeep Renegade Limited 1.8 AT6 R$ 103.490

Jeep Renegade Longitude 2.0 AT9 R$ 125.490

Jeep Renegade Trailhawk 2.0 AT9 R$ 136.990


Começa assim. Primeiro, o conceito. Fabrica um só para mostrar ao público. A aceitação vai crescendo, vai crescendo até que... pronto, tá “na hora dela ganhar vida”. Será assim com o Mission E Cross. A fabricante de carros premium esportivos irá gerar 300 novos postos de trabalho em sua matriz em Zuffenhausen, para produção do modelo apresentado no Salão de Genebra este ano. 

No Brasil, há chance do modelo chegar no final de 2019 ou no primeiro semestre de 2020. O que motivou a sua produção, na prática, além de estudos feitos, foi que o Conceito Mission E Cross Turismo, destaque do Salão de Genebra, foi bem recebido pelos visitantes e imprensa. O modelo Cross Turismo possui uma arquitetura de 800 volts e está preparado para ser conectado às estações de carregamento rápido. Seu sistema possui uma potência de 600cv e autonomia de 500 km (NEDC). No Nordeste, a marca tem uma concessionária em Recife. 

O veículo é derivado do Taycan, o primeiro Porsche puramente elétrico que será apresentado para o mercado em 2019. Outro ponto de grande importância é a sustentabilidade focada na produção, qual será livre de emissões de carbono. A Porsche planeja investir mais de 6 bilhões de euros em elétromobilidade até 2022.