living

Novo BMW X5 inicia pré-vendas no Brasil

28 de Janeiro de 2019 . Por Jota Pompílio

Exibido pela BMW no último Salão de São Paulo, o novo X5 começa a ser oferecido em pré-venda no Brasil. Produzido na fábrica de Spartanburg (EUA), o SUV chega em quatro versões, com preços que partem de R$ 449.950. O modelo foi completamente renovado e está maior, mais esportivo, sofisticado e moderno. Em Fortaleza, a BMW está super representada pela Haus, recém-inaugurada na capital cearense. 

O cliente que adquirir o veículo no período de pré-vendas terá à disposição o BMW Service Inclusive (BSI), um plano que cobre os serviços de manutenção (informações abaixo) realizados nas concessionárias autorizadas da marca pelo período de três anos ou 40 mil quilômetros, prevalecendo o que ocorrer primeiro. 

Externamente, o fundador do segmento Sports Activity Vehicle (SAV) recebeu novas entradas de ar na dianteira, uma grade frontal cromada mais ampla e angular, com o duplo rim conectado, novas luzes de neblina horizontais e novos faróis Full-LED, alinhados à nova identidade visual da marca bávara. Na traseira, as linhas de cintura e teto e dinâmicas, e as lanternas horizontalizadas e tridimensionais, estão entre os demais destaques do desenho exterior do veículo. 

O novo BMW X5 é significativamente maior que seu predecessor: o comprimento aumentou 36 milímetros, totalizando 4,922 metros; a largura, 66 mm, indo a 2,004 metros; e a altura, 19 mm, subindo para 1.745 mm. A distância entre eixos tem 42 mm a mais, atingindo agora 2,975 metros. O porta-malas tem incríveis 650 litros, podendo atingir 1.870 litros com os bancos reclinados. As novas dimensões fornecem à nova geração do SAV não só uma aparência externa impressionante, mas um espaço interno invejável. 

Internamente, a cabine exala elegância e modernidade, graças a materiais sofisticados, ao design harmonioso e a um conceito inovador de ergonomia, com a disposição dos comandos mais simples e direta. Mais digital e conectada, a nova cabine traz duas grandes telas de 12,3 polegadas, que integram o conceito de BMW Live Cockpit. 

Em termos de motorização, o modelo oferece duas opções distintas. A primeira (versões xDrive 30d, xDrive 30d M Sport e xDrive 30d M Sport xOffroad) é um bloco de seis cilindros, em linha, de 2.993 cm³, movido a diesel, com 265 cavalos de potência a 4.000 rpm e 620 Nm de torque entre 2.000 e 2.500 rpm. O propulsor leva o modelo dos 0 a 100 km/h em 6,5 segundos e à velocidade máxima de 230 km/h.  

Já a versão esportiva X5 M50d tem motor de seis cilindros em linha, de 2.993 cm³, quadriturbo, a diesel, que entrega 400 cavalos de potência, a 4.400 rpm, e 760Nm de torque, entre 2.200 e 3.000 rpm. Essa configuração acelera de 0 a 100 km/h em 5,2 s e tem velocidade máxima de 250 km/h. Todas as versões tem câmbio automático Steptronic de oito marchas, com shift paddle, e tração integral xDrive. A suspensão a ar integral adaptativa (disponível apenas para as versões xDrive30d), por sua vez, ajusta a altura do veículo em cinco níveis diferentes de acordo com a preferência do motorista, por meio de um seletor situado no console central, variando até 80 mm. Além disso, altura do veículo pode ser ajustada também pela BMW Display Key ou por um botão no porta-malas, facilitando a carga e descarga de objetos. 

O modelo traz ainda sistemas de tecnologia semiautônoma, como o Driving Assistant Professional, que permite a direção inteligente em situações como congestionamentos, trânsito lento ou viagens longas. O sistema traz as seguintes funções: alerta de mudança de faixa, alerta de tráfego cruzado em cruzamentos, assistente de mudança de faixa com sistema ativo de proteção lateral; alerta de evasão e alerta de veículo cruzando à frente. 

Alessandro Belchior ( bonificação)

A bordo de um dos SUVs mais vendidos: Renegade 2019

28 de Janeiro de 2019 . Por Jota Pompílio

Não dá para esconder, a robustez habita em cada contorno do modelo. Porta pesada, retrovisor imenso, lataria máscula. Porém, é bom salientar que uma grande parcela do público feminino adora esse modelo! Na Newsedan, autorizada da marca, em Fortaleza, por coincidência, enquanto esperava o Renegade para testá-lo, testemunhei uma mulher perguntado sobre os atributos do “jipinho” na autorizada cearense.

Impressões

Antes de sentar no banco do motorista, na lataria está escrito: “desde 1941”. Automático, de seis marchas, o Renegade só “dá na chave” com os pés no freio. A posição de dirigir é ótima e o espaço interno é bem grandinho. As músicas podem ser mudadas via touch screen ou à moda antiga, rolando a sintonia de um lado para o outro. 

Trafegando pelas avenidas de Fortaleza, o modelo mostra-se mais cauteloso que veloz. Entretanto, quando ele pega o embalo, uma beleza! Estabilidade é o seu ponto mais forte. Nas curvas, ele sobra. Aliás, ele não sobra!!! Fica bem grudado sem sair pela tangente mesmo em altas velocidades. 

O motor de 1.8 tem disposição e proporciona melhores retomadas. Ah, silencioso também já que a versão é flex. Internamente, com vidros fechados, quase não há ruídos lá fora !Nos semáforos (cearense diz “sinais”), o Start&Stop atua para oferecer uma melhor economia de combustível. Vizinho à marcha, há o opcional de desativá-lo. Em relação aos bancos eles são duros, mas confortáveis. Em ladeiras, mesmo pesado, em nenhum momento ele dá aquela “voltinha para trás.

Por dentro

No Novo Renegade, no interior, chegam a tão esperada central UConnect com tela de 8,4" e os comandos do ar-condicionado inspirados no Compass. A conectividade é reforçada pelo espelhamento de smartphones via Apple CarPlay ou Android Auto e comandos por voz. Nas proximidades da alavanca de câmbio, um espaço maior para objetos e, nas versões 4x4, o seletor sobe alguns centímetros para abrir espaço. O ar-condicionado, segundo a Jeep, ficou 20% mais eficiente em todas as versões.

Falando em versões, a oferta se modifica na linha 2019. A versão Custom não aparece mais no catálogo (ficando apenas a 1.8 flex, sem nome de versão, para o público PCD), com a Sport voltando a ser a de entrada. Única com opção de câmbio manual, ela adota apenas as mudanças estéticas da parte de fora, mantendo no interior a central multimídia com tela de 5", mas com os comandos do ar-condicionado analógico revisados. Câmera de ré e porta USB para os passageiros do banco traseiro são itens de série. 

O Renegade Longitude 2019 tem a nova central multimídia de 8,4" e versões flex (apenas automática) e turbodiesel AT9. A Limited agora traz sete airbags de série, até então um opcional de R$ 3.490, e o conjunto de iluminação em LED, este último também presente na Trailhawk. Os preços tiveram redução nas versões de entrada, mas os modelos a diesel estão mais caros, além de não haver mais versão Sport com propulsor a óleo. É bom salientar que a motorização é a mesma, de 1.8 flex e 2.0 turbodiesel. Dependendo da versão, parte de R$ R$ 78.490 e pode chegar até R$ 136.990.

M Dias Branco Logo

Na crista da onda, Jaguar e Land Rover terão SUVs eletrificados

25 de Janeiro de 2019 . Por Jota Pompílio

Líder em seu segmento - já que a Jaguar Land Rover fechou 2018 na liderança de venda de utilitários esportivos premium no Brasil -  a marca inglesa também vai trazer uma novidade ainda neste semestre: uma versão híbrida do Range Rover Sport. O meio ambiente, claro, agradece!

Na prática, segundo a fabricante inglesa de carros de luxo, o objetivo da montadora é colocar uma versão híbrida ou elétrica para cada veículo do segmento de SUVs a partir de 2020. Ainda neste ano, a marca anunciou a chegada do I-Pace, um SUV elétrico.

Com todo o gás

A Jaguar conseguiu um crescimento de 94% no segmento com o SUV compacto E-Pace, lançado no ano passado. Na Extrema, concessionária da marca, em Fortaleza, as vendas continuam boas sobre o modelo. Com 8.227 veículos emplacados, as duas marcas da empresa inglesa ficaram com 26% do segmento.


Quando você escuta a palavra Volvo, você lembra de quê? Sem dúvida, de segurança, né? Pois esses modelos estarão à disposição na concessionária cearense da marca, a GNC  Suécia, amanhã, através de um brunch que começa às 10 e vai até às 14 horas, com atrativos de compra além do normal. 

Experiente – há 11 anos no mercado – quem está no comando da autorizada nórdica é Dayse Mazzini que já passou por praças como Fiat, Toyota e por último, Audi. Logo de cara, ela relata uma promoção: o XC 60 de R$ 254.950,00 por R$ 249.950,00 com bônus de R$ 10.000,00 na troca de seu usado. “Para saber as demais ofertas só vindo aqui para curtir o nosso brunch”, avisa. 

Conhecedora do mercado, Dayse afirma que o segmento premium, assim como o setor em geral, passou por um momento delicado no ano passado, mas as previsões para este ano de 2019 estão sendo muito otimistas por parte das montadoras e concessionárias. “Novos lançamentos também ajudarão o mercado a alavancar em vendas. No nosso caso teremos o lançamento do novo S60 previsto para o meio do ano que promete ser mais um case de sucesso”.

Números

Realmente, se compararmos 2018 com 2017, a Volvo cresceu 96%, com 3.496 veículos emplacados no Brasil ano passado. O boom das vendas se deve aos SUVs como o XC 40, XC 60 e XC 90 que ajudaram alavancar as vendas. Porém, é bom salientar que a fabricante fabrica vários modelos como esportivo, perua, sedan, entre outros. E Dayse salienta que os modelos não têm só segurança como são conhecidos, mas também têm muita conforto e tecnologia embarcada. Para a profissional, o cliente Volvo é justamente aquele que gosta desses três atrativos em um carro e a “Volvo tem de sobra”, acrescenta.    

Sobre os modelos da Volvo, a nova gerente acredita que hoje, o S60 seja o mais novo carro sensação da Volvo. “As XC40 e XC60 continuam sendo nossos carros chefes com design, tecnologia e durabilidade a toda prova”, ressalta. E aí, ficou tentado? Passa na Av. Rogaciano Leite, 1815, que é bem capaz de você deixar seu seminovo por um zerado da Volvo. Não custa nada negociar, não é? 


São Paulo foi mais uma vez, em 2018, o estado com o maior número de licenciamentos do País. Traduzindo: foi o maior mercado consumidor na aquisição de um automóvel. Na ponta do lápis, foram 658.217 unidades emplacadas.  O volume de carros distribuídos pelos municípios paulistas representa 26,6% do mercado nacional, ou seja: de acordo com a aritmética: cada quatro carros vendidos no Brasil, um fica em São Paulo.

A distribuição, via de regra, varia de acordo com o poder econômico e o tamanho do município: enquanto a cidade de São Paulo vendeu 232.432 unidades, o município de Dirce Reis, no Noroeste Paulista, licenciou apenas três unidades: é o menor mercado do Estado.

Como ficou o Nordeste

Nas três principais praças, o Ceará ficou em décimo primeiro, com 51.961 carros vendidos. Cresceu 2,1% em relação ao ano de 2017, ficando atrás de Pernambuco, que ficou em décimo. A diferença entre os dois é que Pernambuco vendeu a mais 17.859 unidades. A Bahia ficou em sétimo, com 92.867.

O volume de licenciamento em 2018 levou em conta também outros fatores, sendo o principal deles o valor do Imposto de Propriedade de Veículos Automotores. Com o IPVA mais barato (a cobrança é de apenas 1% para veículos locadora), Belo Horizonte atraiu o licenciamento de frotistas a tal ponto que encerrou 2018 como a cidade que mais “vendeu” carros e comerciais leves, na frente da capital paulista (232.432): foram licenciados em BH 363.456 unidades em 2018, 75% de todos os veículos vendidos no Estado de Minas Gerais (480.406).

Outros lugares

Depois de São Paulo e Minas Gerais, o Paraná aparece como o terceiro maior mercado do Brasil, com 160.510 carros vendidos em 2018. Em quarto lugar ficou o Rio Grande do Sul, com 14.827 unidades e em quinto o Rio de Janeiro (134.643). 

Mato Grosso (+34,4%) e Rondônia (+29,3%) foram os Estados que mais cresceram no ano, com índices bem acima da média, que foi de 13,7%, enquanto Sergipe foi o único estado com apresentou queda de vendas em 2018, com apenas 15.787 carros. Mas foi Roraima o estado que menos vendeu carros no ano passado, apenas 5.109 unidades.