Abrindo caminho e pensando em um mundo mais respirável, a Toyota Corporation traçou sua estratégia até 2030. Na prática, a fórmula está na produção destinada a veículos eletrificados como veículos híbridos elétricos (HEVs), híbridos plug-in elétricos (PHEVs), elétricos de bateria (BEVs) e veículos elétricos movidos a célula de combustível (FCEVs).

Para Ronaldo Munoz (à esquerda), diretor-superintendente do Grupo Newland – rede de concessionárias Toyota na região Nordeste, “o compromisso da marca aliada às tecnologias sustentáveis, no que diz respeito ao meio ambiente, são fantásticas! Isso faz da fabricante uma das pioneiras na energia limpa”, acrescenta.

De acordo com o executivo, na autorizada cearense, por exemplo, há novidades como o Prius (híbrido) que está tendo uma boa aceitação. “Também temos o Lexus CT (embaixo) em todos os nossos showrooms. Isso é uma prova de como a montadora está se importando com isso. E não para por aí. Em 2018, haverá mais novidades com relação a motores de energia limpa. É por isso, e com muito orgulho, que a Newland participa e faz parte dessa transformação da indústria automobilística”, pondera.

Acompanhando essa filosofia, a Montadora deixou bem claro que o meio ambiente é um dos pilares da empresa no desenvolvimento de produtos, assim como segurança e emoção. Os veículos eletrificados, eficazes para o consumo econômico de combustível e a difusão do uso de combustíveis alternativos, são indispensáveis para solucionar problemas ambientais atuais.

Incentivo a mais

Em outubro de 2015, a Toyota lançou o “Desafio Ambiental Global 2050”, que visa reduzir ao máximo o impacto negativo da fabricação e do uso de veículos, além de contribuir para a formação de uma sociedade sustentável. Entre os objetivos deste desafio, a Toyota pretende reduzir em 90% as emissões médias de CO2 originadas a partir de novos veículos no mundo, considerando os níveis de 2010. 

Proposta

Até 2030, a Toyota calcula que venderá mais de 5,5 milhões de veículos eletrificados em todo o mundo, incluindo mais de 1 milhão de veículos de zero emissão (BEVs, FCEVs). Além disso, até 2025 todos os modelos da linha Toyota e Lexus no mundo estarão disponíveis como veículos eletrificados ou terão a opção de eletrificação. Isso será feito por meio do aumento do número de modelos HEV, PHEV, BEV e FCEV e pela difusão da disponibilidade de opções HEV, PHEV e/ou BEV para todos os seus modelos. Como resultado, o número de modelos desenvolvidos sem uma versão eletrificada será zero.

Fumaça zero

No início dos anos 2020, a Toyota irá acelerar a popularização de veículos elétricos que utilizam bateria com mais de 10 modelos disponíveis no mundo, começando pela China, até chegar a outros mercados. Uma introdução gradual é esperada no Japão, na Índia, nos Estados Unidos e na Europa. A linha FCEV será expandida para veículos comerciais e de passageiros nos anos 2020.

Mais aliados

O portfólio HEV também crescerá a partir do desenvolvimento do Toyota Hybrid System II (presente na geração atual do híbrido Prius), da introdução de uma versão mais moderna do sistema em alguns modelos e do desenvolvimento de sistemas híbridos mais simples em modelos selecionados, visando atender às diversas necessidades dos clientes.

A Toyota também visa expandir sua linha PHEV nos anos 2020. As baterias atuais de veículos eletrificados geralmente apresentam limitações relacionadas à densidade da energia, ao peso/tamanho e aos custos. A Toyota tem desenvolvido ativamente novas baterias e pretende comercializar a tecnologia no início da década de 2020.

Parceria

Além disso, a Toyota e a Panasonic iniciarão um estudo de viabilidade de baterias automotivas com o objetivo de conceber a melhor opção para a indústria automotiva e contribuir definitivamente com a popularização dos veículos eletrificados da Toyota e de outras fabricantes de automóveis.

A Toyota visa também concentrar-se no desenvolvimento de uma infraestrutura social adequada para a adoção de veículos eletrificados. Isso inclui a criação de um sistema para tornar a reutilização e a reciclagem de baterias mais eficaz, auxílio para promover o uso de estações de recarga de veículos plug-in e o reabastecimento de hidrogênio por meio de uma cooperação e colaboração com autoridades públicas e empresas parceiras.

Planeta amigo

A Toyota tem sido líder na fabricação de veículos amigáveis ao meio ambiente. Isso fica evidente por meio da introdução, há 20 anos, do icônico Prius, bem como pelo lançamento do primeiro PHEV do mundo, o Prius PHV, em 2012. A segunda geração do Prius PHV, introduzida em 2017, aumentou ainda mais a autonomia do modo elétrico do veículo. Além disso, em 2014 a Toyota lançou o primeiro sedã com célula de combustível produzido em massa do mundo, o Mirai, que tem sido bem recebido pelos clientes no Japão, nos EUA e na Europa. Por meio dessas atividades, as vendas de veículos eletrificados da Toyota atingiram mais de 11 milhões de unidades no mundo até hoje.

Anota aí: “Picape do Ano 2017”, “Picape do Ano 2018”, “Melhor Picape”, “Melhor Segmento de Luxo”, “10 Best”... ufa, é melhor resumir! Ao todo, foram oito prêmios que a picape da Nissan recebeu nos últimos dois meses no Brasil. Traduzindo: para quem tem dúvida em adquirir uma eis a prova. Até a imprensa especializada (web, revistas e jornais) rendeu-se. Na Jangada Nissan, na versão SE, ela sai por R$ 150.990. E se você for produtor rural o valor baixa para R$ 129.850, 00. Para quem a deseja em sua força máxima, isto é, na versão top ela custa R$ 166.000,00. 

Quem é dona do pedaço

Lançada em março, a atual versão não tem um ano! A Frontier, além de moderna, do design totalmente novo e robusto, a 12ª geração da picape japonesa tem como peça-chave a estrutura ainda mais resistente, com um chassi reforçado e quatro vezes mais forte, ao mesmo tempo que é mais leve e eficiente. É bom destacar que a fabricante tem mais de 80 anos de experiência na fabricação de picapes e mais de 14 milhões de clientes satisfeitos em todo o mundo. É como se dizia na nossa infância, “moral é outra coisa”. 

Para Eduardo Furtado, diretor da Jangada Nissan Fortaleza, um dos pontos que mais chama sua atenção é a dirigibilidade. "Ela (Frontier) tem um comportamento urbano que você não sente que é picape. Mas quando você vai pro off road ela surpreende em todos os sentidos: suspensão, conforto, robustez, motor. Tudo isso junto torna ela um produto diferenciado", detalha. Outro característica que o profissional destaca é sobre os bancos que têm a "tecnologia gravidade zero" que "torna um benefício muito bom para quem está na frente e alivía bastante em viagens longas".

Experiente, Eduardo aponta que o comprador pode estar em vários nichos, como quem mora na cidade ou mesmo no campo tendo como perfil pessoas bem decididas, bem estabilizadas, que gostam de passeios, de esportes, de conforto. "Tem um outro grupo também que vem crescendo e a usam para aventura, mas tem suas propriedades rurais. Pessoas realmente que tem seu negócio no segmento agro e pela própria orientação de trabalho deles, a picape se torna importante para o acesso onde é feita a produção ou escoamento. A frontier é muito versátil, por isso, eis o seu sucesso", pondera.      

 

Segurança

Com oito barras transversais, conta um outro chassi sobreposto por dentro com soldas contínuas, chamado de duplo "C". Assim, o veículo fica ainda mais resistente às tensões da torção da carroceria. Em caso de colisão você estará mais seguro.

4x4 inteligente

Uma combinação de tecnologias permite extrair o máximo em desempenho no fora-de-estrada e garantir uma condução confortável, enquanto itens inéditos para o modelo estão a serviço do condutor. Entre eles, o Controle Automático de Descida (HDC) e o Sistema de Auxílio de Partida em Rampa (HSA). Ambos sistemas atuam automaticamente nos freios do veículo para controlar descidas íngremes ou saídas do carro da imobilidade em subidas.

Versões

A picape tem duas versões – LE e SE –, ambas com cabine dupla e tração 4x4, e é equipada com o novo e moderno motor diesel 2.3 com duplo turbo. A Nissan Frontier é vendida em 33 mercados da América Latina e é um dos modelos mais vendidos da marca na região.

Jangada Nissan

Av. Júlio Ventura, 200 ou Av. Washington Soares, 2055

Aldeota ou Edson Queiroz, respectivamente

Telefones: (85) 3306-8686 ou  3391-6000 

Sinduscon

Mais magro, Jeep Wrangler chega para o ano

20 de Dezembro de 2017 . Por Jota Pompílio

De cara, até pelas fotos, você deve estar pensando que o Novo Wrangler 2018 não teve mudanças. Profundamente, não. Você está certo! Porém, seus cantos foram arredondados, o para-brisa ganhou uma inclinação para trás e a grade agora é menos reta.  Por outro lado, para quem esperava que o modelo diminuísse de tamanho, isto é, ficasse menor como os Willys de época, não foi dessa vez.

Nesse mundo que os magros ditam, a boa notícia é que o modelo da Jeep está uns 90 quilos mais leve que seu antecessor. Segundo a fabricante, isso se deve ao extenso uso de materiais leves. Para quem gosta de detalhes, o chassi continua a ser separado da carroceria. Adota, contudo, aços de maior resistência e processos de fundição mais modernos. Além disso, capô e portas passam a ser de alumínio, enquanto a parte traseira da carroceria é de magnésio.

Versão nova

Em termos de motor, uma novidade importante. Além do V6 de 3,6 litros que rende os mesmos 289 cv da geração anterior,  o Jeep passa a ser equipado com um quatro-em-linha de 2,0 litros e com turbo, também a gasolina.  A potência é de 271 cv. O novo Wrangler chegará ao Brasil no segundo semestre do ano que vem. 

 Para 2019, haverá a opção de um V6 3.0 turbodiesel. Outra novidade é que, pela primeira vez, o Wrangler terá uma opção de tração permanente nas quatro rodas, em vez do tradicional sistema com caixa de transferência. O câmbio pode ser manual de seis marchas ou automático de oito velocidades.

 

Ilmar 2 marca

Um Honda em lençóis cearenses

19 de Dezembro de 2017 . Por Jota Pompílio

Testar calmamente o Honda Fit 2018 foi, como gostam dizer os próprios nipônicos, “uma honra”. Não sou doido, mas em respeito a uma cultura milenar, andei até me curvando à moda japonesa em sinal de respeito. Isso, claro, sem ninguém me ver! 

A bordo da top

Brincadeiras à parte, a primeira vista, assim que o vi na concessionária, nada mudou. Porém, um olhar mais crítico para perceber que sim. Os faróis têm o mesmo formato, mas com novos elementos internos – na versão EXL, cedida para teste, são de led, com direito a luz diurna. Na dianteira, a grade recebeu um retoque melhor. Atrás, show. Agora o para-choque preserva mais distância em relação à tampa do porta-malas. Nesta versão, na autorizada Novaluz, em Fortaleza, ela custa R$ 80.900.

A primeira boa impressão é o alcance de giro de volante que ele tem. Faz retornos sem precisar “abrir” demais. O consumo na cidade também é justo para o motor 1.5. Segundo o Inmetro, são 8,3 km/l na cidade e 9,9 km/l na estrada com etanol. A posição de dirigir é excelente e na direção, os comandos são simples e práticos e bem iluminados à noite. Dentro, de vidros fechados, o barulho externo quase não escuta-se nada. No habitáculo, uma porção de porta-objetos que as mulheres adoram.

Hora da ladeira

Para quem tem aquele medo do carro ficar parado e "dá pra trás" em subidas, o Fit conta com “assistente de partida em rampa”. O que é isso? Ele te dá alguns segundos até você colocar o pé no acelerador com calma. Que legal, não é? Para quem é recém-motorista ou mesmo quem tenha trauma essa tecnologia veio para salvar.

Depois de andar alguns dias na cidade, levei o Fit para dar uma viajada em Caetanos –onde fica os lençóis cearenses. Cerca de três horas de distância de Fortaleza.  Na estrada, o “pulo do gato” fica porque ele agora passa a contar com controle eletrônico de tração e estabilidade de série em todas as versões. Traduzindo: te dá mais segurança nas rodovias. 

O fato é com câmbio automático continua “nervoso” e dá conta do recado, seja em ultrapassagens curtas ou chegando rápido em longas distâncias. A suspensão não deixa nada a reclamar e o consumo é justo com a motorização. Internamente há muitos porta-objetos e o espaço cabe três pessoas com folga. Depois da mexida na direção elétrica, o volante ficou um pouco mais duro, menos anestesiada. Isso é bom porque sensível demais ele pode perder o controle em um situação inesperada. Esteticamente, a direção é bem atraente, esportiva e o painel com tons azuis dá um charme a mais. 

Por dentro, o Honda Fit 2018 adota novo sistema de ar-condicionado automático com display digital touchscreen, bem como temperatura externa no computador de bordo e paddle shifts no volante. Retrovisores com rebatimento elétrico também integrados ao travamento do veículo. A câmera de ré, com três opções de visualização e linhas de manobra, é de série nas versões EX e EXL.

Comodidade inusitada

Uma das praticidades do modelo é a flexibilidade dos bancos. A montadora diz que é possível alguns assentos virarem cama, se você dar aquela estendidazinha. E não é que deu certo! Se você é estradeiro e adora viajar, eis um dos motivos para comprar um.  

Acabou-se o segredo. Ford Mustang inicia sua pré-venda no Brasil e revela quanto custa: R$ 299.900,00. O motor V8 5.0, de 466 cv e câmbio sequencial de dez marchas na versão GT. A caixa automática é a única anunciada para o lançamento no Brasil até o momento, entretanto, a Ford antecipou que trará outras versões dependendo da aceitação do público. Vale lembrar que o Chevrolet Camaro tem motor V8 6.2 de 461 cv de potência.

No Ceará, a Starfor, que é uma concessionária especialista em vendas de Mustang no Ceará, o Programa de Pré-Venda que teve início na semana passada, dia 11, acontecerá até meados de março de 2018. Ou segundo a autorizada, até o término das unidades, com faturamento e início das entregas previsto para o final de março.

Para Lúcio Salazar, um dos diretores da Starfor, o Mustang não é só um carro. “Ele é um ícone que inaugurou o segmento que é o ‘Pony Car’ – considerado um dos símbolos norte-americano. Como ícone, ele atinge desde o jovem, que ama performance, até o público mais maduro, que é apaixonado desde o seu lançamento”.   

Com a chegada do Mustang, finalmente, teremos como assistir a briga entre os muscle cars no Brasil. Eco de uma briga que começou na metade dos anos 60 nos Estados Unidos. A Chevrolet viu que o Mustang estava fazendo muito sucesso, e projetou um carro nos mesmos moldes para embarcar na receita dos muscle : apenas dois assentos e capô alongado. Eis que, em 1966, nasce o Chevrolet Camaro. Segundo o executivo cearense da Starfor, a expectativa é vender 36 unidades na pré-venda.

Que demora!!

Levou um bom tempo para a marca decidir por importar oficialmente o Ford Mustang para o Brasil. Entre um vai-e-vem e outro, a fabricante chegou a mostrar o carro para alguns jornalistas, em 2015, quando foi lançada a sexta e atual geração, mas ainda sem nenhuma decisão oficial de vender o cupê aqui. Entre outros países da América do Sul, o carro já era vendido na Argentina, Chile e Uruguai. Para se ter uma ideia, o Camaro foi lançado no Brasil em 2010. Mas aqui vai um provérbio que diz tudo e zcho que a Ford abraçõu: "antes tarde do que nunca!".

Serviço:

Starfor

Av. Senador Virgílio Távora, 2655 - Dioníso Torres

Horário: Aberto hoje · 08:00–18:00

Telefone: (85) 3207-8000