No Brasil, realmente os SUVs deitam e rolam. Não é à toa que dominam quase 20% do mercado. E é por isso, talvez, que a cada semana não falte novidade. E por falar em uma delas, a Audi apresenta uma para seu SUV de maior sucesso no país: a série especial Q3 Black Edition. 

Na Audi Center Fortaleza ele pode ser adquirido por encomenda e leva 12 dias para chegar. Seu preço? R$ 184.990,00. De acordo com Dayse Terra, consultora de vendas, o que ele traz de diferente em relação à versão normal é acabamento interno de alumínio, computador de bordo colorido, teto solar panorâmico na cor preta, abertura e fechamento elétrico da tampa do porta-malas, pacote de luzes, teto interior na cor preta e sistema de som Bose. 

Na parte de design, o carro recebe kit esportivo S Line, capas dos espelhos retrovisores externos pretas, frisos decorativos na cor High Gloss Black (preto brilhante) e rodas exclusivas de liga leve de 18”. Esse pacote é extremamente vantajoso para o cliente, uma vez que se fosse equipar o Q3 Ambiente com todos esses itens, arcaria com mais de R$ 12 mil acima do preço da versão Black Edition. 

A série especial está disponível apenas para a motorização 1.4 TFSI Flex com injeção direta de combustível, que desenvolve potência máxima de 150 cv entre 4.000 e 6.000 rpm e um generoso torque de 250 Nm, disponível entre 1.500 e 3.500 giros, tanto com etanol quanto com gasolina.

Os atributos do motor são potencializados pela dinâmica transmissão S tronic de seis velocidades. Com dupla embreagem, o câmbio realiza trocas de marchas com extrema rapidez, sem deixar que a rotação do motor caia. A caixa S tronic pode funcionar de forma automática, permitindo trocas manuais por meio da alavanca no console ou pelos shift paddles, instalados junto ao volante multifuncional. Com esse conjunto, o Q3 alcança os 100 km/h em 8,9 segundos e atinge uma velocidade máxima de 204 km/h com ambos os combustíveis.

O Q3 Black Edition está disponível nas cores Branco Cortina, Branco Geleira, Cinza Monção, Prata Florete, Preto Brilhante, Preto Mito e Verde Camuflagem. A lista de equipamentos inclui ainda ar-condicionado automático de duas zonas, bancos de couro, sensor de luz e chuva, volante multifuncional com shift paddles e base aplanada revestido de couro, sistema Audi drive select, controle de cruzeiro, parking assist com câmera de ré, assistente de partida em aclives, Audi Music Interface e Bluetooth. 

Especificações técnicas 

Motor: 1.4 TFSI
Cilindros /cilindrada: 4 em linha/1.395 cm³
Potência: 150 cv entre 5.000 e 6.000 rpm
Torque máximo: 250 Nm entre 1.500 e 4.000 rpm
Tração: dianteira
Transmissão: S tronic, 6 velocidades
Peso: 1.405 kg
Comprimento: 4.388 mm
Largura: 1.831 mm
Altura: 1.590 mm

Parece que foi ontem! Causou até estranheza quando lançado pela marca em 2003 por parte do público e qual segmento pertenceria. Fabricado no Brasil desde então, o fato é que vendeu mais de 545 mil unidades desde seu lançamento, com 37 premiações recebidas pela imprensa especializada neste período.

Inovador na forma de aproveitar o espaço interno e em oferecer configurações múltiplas de uso dos assentos, o Honda Fit também foi o primeiro automóvel da marca a adotar, ainda em 2003 (foto acima), a transmissão do tipo CVT, uma tendência nos modelos atuais. Renovado no ano passado, o modelo da Honda recebeu importantes e marcantes aprimoramentos no design, segurança e conforto, tornando-o ainda mais completo e atraente para o consumidor. 

O Fit 2018 (acima) trouxe novo design frontal e traseiro, bem como tecnologias modernas de iluminação, como luzes diurnas de rodagem e lanternas em LED, além de faróis em LED na versão EXL. Na segurança, em todas as versões, recebeu o sistema VSA (Vehicle Stability Assist) com controle de tração e estabilidade, e o sistema HSA (Hill Start Assist) de assistência de partidas em rampas, que evita que o carro desça por alguns instantes ao se tirar o pé do freio em subidas.

Em suas versões superiores, o modelo recebeu ar-condicionado digital e conectividade com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto.

Alma urbana

Desde seu lançamento, em 2003, o Fit se definiu como um automóvel ideal para o uso urbano, com medidas externas compactas - e excelente aproveitamento de espaço interno. Além disto, sempre ofereceu ótima visibilidade, posição do motorista elevada e interior versátil, com ampla modularidade.

Na geração atual, o sistema de rebatimento dos bancos permite acomodar diversos tipos de carga, criando tanto um assoalho plano para o transporte de volumes de grandes dimensões, como carregar materiais mais altos com toda praticidade, por meio do rebatimento da segunda fileira de bancos. Essa modularidade é uma marca do Fit, e característica que o acompanha em todas as gerações vendidas no Brasil.

Pioneirismo

O Fit foi um dos primeiros automóveis no Brasil a trazer a transmissão continuamente variável, CVT, que permite uma aceleração linear e um comportamento suave em diversas condições de uso, permitindo uma ótima relação entre desempenho e consumo.

Combinado ao eficiente motor 1.5 i-VTEC FlexOne, que rende 116 cv a 6.000 rpm e 15,3 kgfm de torque a 4.800 rpm no etanol, o conjunto motriz permite um desempenho eficiente e agilidade para as mais diversas situações.

Premiado e bom de revenda

O Fit recebeu 37 premiações ao longo de seus 15 anos de mercado, sendo muitas delas relacionadas à ótima experiência do consumidor com o produto. Por diversas publicações automotivas, os clientes elegeram o modelo como a "melhor compra" em sua categoria, sendo avaliado também como o automóvel que menos desvaloriza em sua categoria por diversos anos consecutivos.

Em 2017, o modelo foi escolhido novamente pelos consumidores na premiação "Os Eleitos", da revista Quatro Rodas, como o veículo que mais agrada a seus proprietários, em sua categoria. 

Histórico do modelo

2003 - Lançado em abril nas versões LX e LXL, com motor 1.4 de 80 cv a gasolina e transmissão CVT.
2005 - Chegada da versão EX, com motor 1.5 VTEC de 105 cv. 2007 - Lançamento das versões flexfuel para o motor 1.4.
2008 - Produção da série especial S, com pacote visual esportivo.
2008 - Em outubro de 2008, foi lançada a segunda geração do Fit no Brasil, como modelo 2009, passando a se chamar New Fit. O carro chegou disponível em quatro versões: LX, LXL, EX e EXL.
2011 - A Honda amplia a gama de versões do Fit com a versão DX.
2012 - Facelift da segunda geração do New Fit trazia para-choques, faróis e grades com novo design, bem como aprimoramentos mecânicos.
2013 - Fit Twist, versão aventureira desenvolvida exclusivamente para o mercado brasileiro.
2014 - Fit é apresentado na versão CX automática, com ótimo custo-benefício.
2015 - Lançamento da terceira geração do Fit no Brasil.
2017 - Terceira geração recebe alterações de design, com adoção de novos equipamentos de segurança e conectividade. 

Preocupada não só com o bem estar dos pilotos, mas do modelo com um todo, a legendária marca salienta sobre o uso correto do conjunto de embreagem. O que o conjunto faz? Ele acopla e desacopla o câmbio ao motor, sendo um sistema mecânico básico e essencial.  De acordo com a Harley, a preocupação é válida já que motos da marca norte-americana são únicas e contam com singularidades técnicas, já que o conjunto da embreagem, na grande maioria das motocicletas H-D, localiza-se no compartimento primário, separado do motor e do câmbio, e a conexão ao motor é feita por meio de corrente, relatam os engenheiros da marca. 

Quem sofre desgaste

As peças que sofrem mais desgaste são os discos e os chamados separadores, que trabalham em aderência constante quando são acoplados, por meio do óleo lubrificante. Os processos de deterioração podem acontecer por vícios de pilotagem como, por exemplo, o uso incorreto do manete de embreagem em arrancadas bruscas, manter a embreagem acionada por longos períodos durante as paradas com a motocicleta engatada ou conduzir e parar em aclives íngremes, o que superaquece o sistema e diminui a fricção. Também são fatores deteriorantes o uso de óleos lubrificantes com especificações técnicas inadequadas para as motos H-D ou excesso de temperatura.

Como detectar

Engenheiros salientam que os sintomas iniciais podem ser percebidos com a perda de tração durante o acoplamento do conjunto de embreagem, ou seja, que o sistema não transmita a rotação do motor ao câmbio e, consequentemente, a tração não será transferida de forma adequada à roda traseira. A perda de força ou o não desenvolvimento da motocicleta ao acelerar também são sinais de desgaste, além da dificuldade na troca de marchas, principalmente nas primeiras. 

Manutenção

Para a manutenção dos sistemas hidráulicos de embreagem são utilizadas técnicas similares às da manutenção do sistema de freio, já que o fluído deve ser inspecionado em relação ao nível do reservatório e a substituição deve acontecer a cada dois anos. Para os sistemas mecânicos, a manutenção inclui, também, a lubrificação do cabo de acionamento e ajuste do parafuso de regulagem, de acordo com a folga especificada no manual de serviço da H-D. Em ambos os casos, é necessária a substituição do óleo de todo o conjunto primário a cada 16 mil quilômetros. 

Mesmo que os clientes não façam as substituições diretamente, é importante que saibam que a Harley-Davidson disponibiliza o óleo lubrificante “SYN3 20W50–sintético”, que foi desenvolvido para trabahar nos três compartimentos do conjunto de powertrain da motocicleta, ou seja, motor, primária e câmbio. Esse óleo garante as propriedades adequadas para o perfeito funcionamento dos sistemas, assegurando a redução de atrito no motor, a aderência na embreagem e a resistência à alta pressão no câmbio. 

Na Newroad

Durante a revisão, é substituído o lubrificante do conjunto primário, além de ajustado o parafuso de regulagem, lubrificado o cabo de acionamento e ajustada a folga ideal da alavanca de acionamento, nos sistemas mecânicos. 
Portanto, tanto a montadora como a concessionária cearense incentivam todos os proprietários a realizarem as manutenções periódicas de acordo com a descrição da tabela de manutenção, que está no manual do proprietário. Em Fortaleza, a marca conta com a Newroad, na avenida Virgílio Távora.

Para finalizar, também é importante adotar procedimentos seguros para condução da motocicleta. Descartar vícios de pilotagem e se atentar para uso constante da alavanca de embreagem ao parar em semáforos são ações que também fazem a diferença, assim como evitar “segurar” a motocicleta na embreagem em aclives ou arrancadas bruscas. 



São Luiz

Nissan Kicks: passando dez dias com o líder

18 de Abril de 2018 . Por Jota Pompílio

Ter o SUV que em março desbancou o Jeep Compass e o Honda HR-V foi uma responsabilidade e tanta! Uma das maiores impressões que marcou e que senti já nos primeiros três dias foi sua economia: o nível de tanque dificilmente mexia-se. Com gasolina, ele faz 11,5km/l. Já no etanol, os números melhoram para 13,7 Km/l. E olha que o teste foi somente em zona urbana onde o consumo evapora-se fácil, fácil!  

Minhas impressões 

Em Fortaleza, o motor 1.6 flex, de 114 cv, deu conta do recado no dia a dia. Sua retomada é ótima e o modelo tem um bom fôlego para vencer ladeiras. O motor é bem casado com o câmbio CVT, que tem seis velocidades.  A dirigibilidade do Kicks é outro ponto super positivo: a direção elétrica é leve e direta, fazendo com que o modelo transmita maior sensação de esportividade.

Quem olha para o modelo, apaixona-se no ato. Não há como escapar! Seus contornos são bem trabalhados e futuristas e sua parte frontal tem ar jovial que não sai de moda. A traseira também acompanha todo o conjunto deixando-o envolvente.  Para quem tem família o porta-malas é gigante, 430 litros!!!

Em vários buracos devido às chuvas, as suspensões se comportaram bem. Segundo a montadora, elas têm ajuste que prioriza o conforto dos passageiros e foram feitas para filtrar as irregularidades do asfalto. 

Só falta falar!!!

O carro detecta a posição do carro à frente, alertando com aviso sonoro e visual quando a distância está muito próxima e há riscos de colisão. O Nissan Kicks 2018 desfruta também de funções que auxiliam o motorista nos momentos de curva e estabilizam a carroceria em solos instáveis. Ah, um dos maiores destaques é a Câmera 360° Inteligente. Na prática, são quatro câmeras instaladas na parte frontal, lateral e traseira do veículo permitem que você tenha controle e visão total do seu carro. O sensor detecta qualquer objeto que esteja nos arredores do carro, seja ele parado ou em movimento. As manobras podem ser feitas com mais liberdade e segurança com esse sistema.

No interior, o acabamento é bom e o espaço é generoso para os cinco ocupantes. O banco do motorista parece abraçar você. Ainda por dentro, há bons materiais, tecido nas portas e encaixes corretos e uma infinidade de porta-objetos. Em Fortaleza, na Jangada Nissan, o Kicks S CVT custa R$ 81.000,00. Já o manual cai para 72.990,00.  

Custo-benefício

A bordo, o destaque positivo também fica por conta do quadro de instrumentos com tela colorida de 7 polegadas. Ela oferece diversas funções, como conta-giros, velocímetro digital, bússola e menus para diversas configurações do carro. O sistema multimídia tem tela sensível ao toque de 7 polegadas, entrada USB, GPS e Bluetooth. Há, ainda, ar-condicionado digital, volante multifuncional, chave presencial, partida por botão, câmera e sensor de ré e faróis de neblina. De série, tem controles de tração e estabilidade.  Se o modelo vale a compra? Bom, não é à toa que ele é o líder e em abrll não se admire se ele repetir a dose!!!!!  

A Mercedes-Benz criou novos planos de manutenção para as linhas Sprinter e Vito. Segundo a montadora, eles são customizados especificamente de acordo com o perfil de clientes do segmento de veículos comerciais leves. Sob a denominação “Mercedes-Benz Service Care”, passam a ser oferecidos ao mercado duas modalidades: “Plano Manutenção”, que abrange a troca de óleo dos agregados, filtros e manutenções preventivas, e o “Plano Completo”, que inclui também manutenções corretivas de itens de desgaste, guincho e deslocamento mecânico. No Ceará, a marca premium está representada pela Ceará Diesel.

“Em qualquer um dos novos planos, o cliente conta com mão de obra qualificada, peças genuínas e atendimento diferenciado para realização de serviços na nossa Rede de Concessionários em todo o País”, diz Jefferson Ferrarez, diretor de Vendas e Marketing Vans da Mercedes-Benz do Brasil. “Além disso, nossos preços são muito atrativos, o que traz mais vantagens aos clientes na otimização de custos de manutenção e, consequentemente, redução de custos operacionais, com aumento da sua rentabilidade”.

De acordo com o executivo, ao confiar a manutenção de seus veículos à Mercedes-Benz, o cliente obtém melhor rendimento de seus veículos, maior disponibilidade da frota, melhor controle e acompanhamento do custo operacional e maior valor de revenda. “Assim, ganha tempo para dedicar mais foco ao seu próprio negócio, podendo reduzir também os custos com infraestrutura própria de oficina e estoque de peças”, destaca Jefferson.

Duas modalidades à disposição dos clientes


O Mercedes-Benz Service Care é oferecido em duas modalidades aos clientes de vans, furgões e chassis com cabina das linhas Sprinter e Vito, tanto zero km, como de qualquer ano de fabricação.

O “Plano Manutenção” abrange a troca de óleo dos agregados, filtros e manutenções preventivas, de acordo com o Caderno de Informações Complementares e Termo de Garantia que acompanha o veículo. A verificação regular do funcionamento do veículo garante que ele continue a oferecer um excelente desempenho e confiabilidade. A manutenção impede custos de reparo desnecessários e mantém o tempo de inatividade mínimo e previsível. Este plano não estabelece limite de tempo ou quilometragem.

Além da mesma cobertura do “Plano Manutenção”, o “Plano Completo” inclui também manutenções corretivas de itens de desgaste (freios, embreagem, suspensão, óleo), guincho e deslocamento mecânico. O pacote cobre todos os serviços, com um preço fixo mensal definido de acordo com o perfil de uso do veículo e tempo de contrato. O período máximo é de 7 anos ou 300.000 km. Devendo ser contratado até os 12 primeiros meses após emplacamento ou até 50.000km, desde que as manutenções tenham sido efetuadas no concessionário autorizado.

De acordo com suas necessidades, o cliente pode escolher a vigência do Mercedes-Benz Service Care: de 1 a 5 anos, com possibilidade de renegociação ao final do prazo.