Em tempos de escassez de água em diversos países e estados do Brasil, a dessalinização da água do mar é a solução para o problema. Preocupado em resolver a situação, o governador Camilo Santana decidiu investir nesse processo para manter o abastecimento da população. Em uma região de secas frequentes - e vivendo um momento particularmente difícil-, o estado espera, até 2020, atender pelo menos 720 mil habitantes de Fortaleza com o tratamento da água do mar.

Implantar uma unidade de dessalinização da água do mar foi a forma encontrada pelo governador para diminuir a dependência da cidade de Fortaleza com relação ao Açude do Castanhão, que fica a 280 quilômetros da capital e enfrentou sua pior situação em 2018 -desde que começou a operar, em 2002 -, quando o reservatório chegou a funcionar com apenas 3% de sua capacidade.

Nesse sentido, o Governo do Ceará, por meio da Cagece, disponibilizou, a partir desta sexta-feira (8), as minutas de edital e contrato que tratam da concessão dos serviços para construção, operação e manutenção de uma Planta de Dessalinização de Água Marinha para a Região Metropolitana de Fortaleza com capacidade de 1m³/s. 

A meta do governo é que a água retirada do Atlântico atenda pelo menos 720 mil habitantes de Fortaleza. O edital segue o modelo de concorrência internacional do tipo menor preço, sob modelagem de parceria público-privada (PPP). Os documentos, previamente aprovados pelo Comitê Gestor de Parceria Público-Privada do Estado do Ceará, encontram-se disponíveis para consulta pública até o dia 11 de março de 2019 no portal da Cagece. 

“Essa é uma parceria prioritária para o Governo, até porque vai ser uma alternativa de fornecimento de água para o estado do Ceará, que vive há muitos anos em situação de seca e que este ano tem uma perspectiva mais positiva. Continuamos buscando alternativas e estamos trabalhando”, afirmou o governador Camilo Santana durante coletiva de imprensa no Palácio da Abolição na manhã desta sexta-feira (8).

Detalhe: a capital consome hoje cerca 8 m³ (metros cúbicos) de água por segundo. O projeto da planta de dessalinização deve entregar 1 m³ de água tratada por segundo, o equivalente a 12% do consumo na cidade. O Ceará conta, atualmente, com mais de 9 milhões de habitantes e o mar à sua frente oferece a chance de contornar os problemas do clima semiárido.

Atualmente, existem pelo menos 150 países que usam o método de dessalinização para seu abastecimento regular, em especial os de regiões desérticas ou com dificuldades de abastecimento, como os do Oriente Médio e do norte da África. Um dos líderes nessa tecnologia é Israel, onde cerca de 80% da água potável consumida pela população é proveniente do mar. 

Serviço:

Consulta pública do edital de Dessalinização de Água Marinha para a Região Metropolitana de Fortaleza

Disponível no link: www.cagece.com.br/consulta-publica-planta-de-dessalinizacao/

Período para envio das contribuições: de 08/02/2019 até 23h59 do dia 11/03/2019.

Camilo Santana

Foto: divulgação