Soho Logo

M-commerce brasileiro projeta um crescimento de 32% em 2017

29 de Dezembro de 2017 . Por Marcelo Cabral

A E-commerce Foundation elaborou um relatório completo sobre o comércio eletrônico brasileiro e o lançou na Europa e Estados Unidos. O estudo elencou os segmentos mais promissores e também os desafios e gargalos do comércio eletrônico brasileiro. Um número que chama atenção se refere ao mobile commerce (m-commerce), que deve crescer 32% no acumulado de 2017 (Ebit).

Para o Country Manager da Awin no Brasil, Rodrigo Genoveze, o hábito de comprar através dos dispositivos móveis tem sido difundido para todo o País devido aos avanços tecnológicos estruturais, sobretudo para aqueles locais mais remotos e que, historicamente, não contavam com serviços de internet banda larga.

No Ceará, a Ibyte está conectada com a tecnologia. “No e-commerce a gente está crescendo muito. No m-commerce já temos alguma experiência dentro do nosso site e estamos desenvolvendo um aplicativo. Além de parcerias com várias plataformas de market place, como Submarino, e iniciando um trabalho com a Amazon”, disse o diretor financeiro, Fábio Albuquerque.

Outro aspecto que posiciona o Brasil como um país promissor para o m-commerce é a enorme fatia de mercado ainda inexplorada. "Apenas 54% da população têm acesso à internet e, em 2016, 47 milhões de novos consumidores foram incorporados a este mercado no Brasil", disse.

De acordo com Genoveze, as áreas menos exploradas e que apresentam melhores oportunidades para o e-commerce são aquelas relacionadas aos serviços financeiros e de telefonia. "Existe um enorme potencial inexplorado para startups europeias e norte-americanas nestes dois segmentos”.

M-commerce tem um potencial muito grande de expansão no Brasil

Foto: Divulgação

  • Francisco Marinho e Fábio Albuquerque
    Francisco Marinho e Fábio Albuquerque