Dnapoio

Empresas do NE esperam crescer 23% no ano que vem

06 de Dezembro de 2017 . Por Marcelo Cabral

A pesquisa Agenda 2018, realizada pela Deloitte com gestores de 750 empresas instaladas no País, (estimativa de receitas somadas de R$ 1,7 trilhão em 2017, 26% do PIB nacional esperado), aponta as expectativas em relação a resultados para este e para o próximo ano. 

Do total, 59 delas estão sediadas na Região Nordeste (receitas somadas de R$ 21,5 bilhões em 2017). Elas estimaram para o término de 2017 um crescimento de 14,8% em sua receita líquida, resultado maior do que os 12% projetados pelos respondentes da edição de 2016 do estudo, para o mesmo período.

Analisando-se especificamente as participantes do Nordeste, este percentual cai para 13,4% em 2017. Já para 2018, a expectativa de crescimento nacional das vendas é ainda maior, chegando a 19%. 

Para o ano que vem, a projeção do Nordeste é maior que a geral, chegando a 23%. Aumento dos investimentos em infraestrutura, além das reformas tributária e previdenciária são apontados como impactos positivos para os negócios.

O diretor administrativo da FIEC, Ricardo Cavalcante, espera que isso venha a ocorrer. “Acredito que sim, caso a política não entre novamente no cenário econômico, uma vez que teremos eleições. Além disso, haverá uma definição do futuro do País”, disse. 

Ele espera que os números sejam positivos, mas tudo vai depender de quem assumirá os destinos do País. “Neste momento, temos a economia descolada da política, o presidente realizando algumas reformas necessárias e o Brasil está crescendo. Vamos torcer para que continue assim”, completou Cavalcante.

Setor produtivo acredita que a economia brasileira vai retomar o crescimento e 2018

Foto: Divulgação

Dnapoio

CSP pretende crescer 20% em 2018

06 de Dezembro de 2017 . Por Marcelo Cabral

O presidente da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), Eduardo Parente, afirmou ontem, durante evento com jornalistas na FIEC, que a expectativa de crescimento da produção de placas de aço, para 2018, é de 20%

Ele ressaltou que a CSP atingirá, no fim deste ano, uma produção de três milhões de toneladas de placas de aço, desde o início das operações de teste, em junho de 2016. O que é um fato bastante positivo em siderurgia.

Mas, para o ano que vem, a intenção é atingir a capacidade de produção da usina no período de 12 meses. “A expectativa do mercado para 2018 é bastante positiva, por isso queremos alcançar a nossa capacidade nominal de três milhões de toneladas já no próximo ano”, ressaltou.

Dentre os números gerados pela CSP estão 5,6 mil postos de trabalho dentro do site da companhia, e outros 11 mil indiretos; R$ 810 milhões pagos a fornecedores cearenses de janeiro a outubro deste ano; 99,5% dos resíduos sólidos reaproveitados.

A siderúrgica já representa 40,6% da pauta de exportações do Ceará, com um impacto de 12% sobre o PIB estadual. Para isso, possui 33 clientes em 19 países, em quatro continentes, sendo México, Marrocos e Estados Unidos os maiores mercados, respectivamente.

O fato de estar dentro da ZPE-Ceará também representa um grande diferencial da companhia, que está focada na exportação. “Isso facilita, sobremaneira, a nossa operação e nos deixa mais competitivos, pois nosso produto tem qualidade”, lembrou.

E destacou a relevância de São Gonçalo do Amarante. “É a melhor região para se investir no momento, principalmente por estar em um estado que está com a sua situação fiscal equilibrada, o que é raro, atualmente˜, completou Eduardo Parente.

Siderúrgica já opera com mais de 95% da sua capacidade instalada e exporta para 19 países

Foto: Divulgação

  • Eduardo Parente
    Eduardo Parente
CN5- Selo

Latam quer operar voos internacionais a partir de Fortaleza

05 de Dezembro de 2017 . Por Marcelo Cabral

Fortaleza se destaca, cada vez mais, como uma cidade estratégica para o turismo internacional. Ontem, o Grupo Latam Airlines anunciou a intenção de operar novos voos próprios internacionais na Região Nordeste. O pacote de investimentos prevê novidades para a América do Norte e a América do Sul a partir de Fortaleza, Salvador e Recife. 

A capital cearense será a cidade com o maior número de investimentos, com uma nova rota para Orlando (EUA) e aumento das operações para Miami (EUA). Todos os voos devem ser operados pela Latam Airlines Brasil, que ainda aguarda a aprovação das autoridades para confirmar os lançamentos.

Para o secretário de Turismo do Ceará, Arialdo Pinho, se isto ocorrer, é o resultado do trabalho que vinha sendo feito por ele e o governador Camilo Santana no sentido de fazer de Fortaleza um ponto estratégico de malha aérea para toda a América Latina. 

“Os grandes aviões que fazem os voos intercontinentais chegariam aqui, e retornariam no mesmo dia para Estados Unidos ou Europa, por exemplo. Isso representaria uma economia gigantesca na operação de leasing para a compra dessas aeronaves de grande porte”, explicou.

A partir daqui, os passageiros seriam distribuídos em aeronaves menores para todo o Brasil e outros países latinos. “Já apresentamos esta possibilidade de Fortaleza ser um hub para inúmeras companhias internacionais, inclusive com uma série de incentivos fiscais para isso”, lembrou Arialdo Pinho.

Outras novidades previstas são o lançamento da rota Salvador-Miami e a transformação do voo temporário Salvador-Buenos Aires em operação regular. A companhia planeja, ainda, ampliar as operações nas rotas Recife-Miami e Recife-Buenos Aires.

“No Brasil, somente a Latam tem a capacidade de lançar e operar voos internacionais próprios nesta escala. Neste sentido, o Nordeste brasileiro ocupa posição estratégica na expansão da nossa malha aérea global, muito além de ser apenas um simples ponto de conexão com parceiros do exterior", disse Jerome Cadier, CEO da companhia no Brasil. 

Latam pode fazer de Fortaleza um ponto estratégico de conexões intercontinentais

Foto: Divulgação

  • Jerome Cadier
    Jerome Cadier

O governador Camilo Santana participou, hoje, do evento “Diálogo Público: Nordeste 2030 – Desafios e caminhos para o desenvolvimento sustentável”, promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em parceria com o Banco do Nordeste (BNB). 

Governadores nordestinos, autoridades federais e gestores estaduais, participaram do evento que apresentou as conclusões do Relatório Sistêmico da Região Nordeste (Fisc Nordeste), discutiu os índices e avaliou a qualidade dos gastos públicos.

Camilo Santana aproveitou o momento para enfatizar a necessidade de mais investimentos federais em apoio à região, que sofre com pobreza, crise hídrica, violência e luta para melhorar os índices educacionais 

“Muitas conquistas temos visto, mas o Nordeste do Brasil continua com grandes desigualdades. Acredito que é fundamental priorizar o investimento em educação e redistribuir melhor os recursos do País para regiões mais pobres”, destacou.

Dentre as reivindicações lembradas por Camilo esteve a necessidade de conclusão da transposição do Rio São Francisco e, também, a cobrança por definições acerca da continuidade de execução das obras da Ferrovia Transnordestina. 

Camilo Santana paticipou do evento promovido pelo TCU e BNB sobre desenvolvimento sustentável

Foto: Divulgação 

  • Marcos Holanda e Camilo Santana
    Marcos Holanda e Camilo Santana
HAISA

Caucaia obtém financiamento inédito de US$ 80 milhões

05 de Dezembro de 2017 . Por Marcelo Cabral

Caucaia teve o pedido de financiamento internacional aprovado pela Comissão de Financiamentos Externos do Ministério do Planejamento. No valor de US$ 80 milhões, cerca de R$ 260 milhões, o empréstimo será feito junto ao Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

O valor será investido integralmente no Programa de Infraestrutura Integrada, que prevê, dentre outras ações: requalificação do Centro, praças e avenidas. Além da construção de viadutos, ciclovias, arborização, drenagem, saneamento e pavimentação.

As obras devem iniciar em 2018. Caucaia tem uma parte do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), inserida em seu território, onde devem ser instaladas grandes empresas. Por isso as benfeitorias na sede são necessárias. 

“Esse pedido de empréstimo foi uma atitude ousada, mas fruto de meses de estudo. Nós agora temos que focar e fazer acontecer. Porque a parte mais complicada já conseguimos”, disse a secretária municipal de Governo e Articulação Política, Erika Amorim.

Recurso serão utilizados para reforma de praças, ruas, avenidas, e outras obras importantes

Foto: Divulgação

  • Naumi e Erika Amorim
    Naumi e Erika Amorim