Em busca da eliminação do açúcar, um dos vilões mais expressivos do corpo esbelto e perfeito, muita gente recorre aos adoçantes dietéticos. Sem saber que esse recurso, além de fazer um efeito contrário ao desejado, ainda contribui para uma série de complicações extras. O alerta é da nutricionista Carla Laprovítera.

Segundo a especialista, estudos demonstram que o uso de adoçantes artificiais (aspartame, ciclamato, sacarina, acessulfame-k e sucralose) podem contribuir para o aumento do peso, uma vez que eles interferem em mecanismos do organismo para a identificação da sensação de saciedade e  também viciam o paladar para o sabor mais doce. Assim, o consumo de adoçante artificial na dieta pode acabar  fazendo o indivíduo comer mais e a procurar mais por doces. E o resultado não será nada agradável diante da balança!

Outro ponto enumarado por Carla Laprovítera é o fato de  esse tipo de adoçante normalmente apresentar em sua composição conservantes e vários aditivos químicos, os quais interferem no bom funcionamento do metabolismo e do organismo como um todo. "Um exemplo é o aspartame. Entre os adoçantes mais utilizados pela população  e um grande vilão na saúde,  pois estudos mostram que pode favorecer o hipotireoidismo, afetar memória e concentração, gerar alergias, dores de cabeça, alterações de humor e prejudicar a imunidade", cita a nutricionista.

Todo cuidado é pouco também com relação à sucralose. Carla chama a atenção para esse adoçante que apresenta relação com resistência à insulina com uso a longo prazo. Por isso também precisa de cautela no consumo. 

Nem mesmo os adoçantes naturais, como a  stévia, o xylitol e a taumatina, estão fora das recomendações de um consumo mais cuidadoso.  "Em relação à stevia, os estudos ainda são controversos sobre a relação quanto ao ganho de peso, sendo necessário mais estudos", informa Carla.

Dessa forma, qual seria o mais indicado, então? A nutricionista aconselha revezar entre os adoçantes naturais e consumir o mínimo possível. Também tentar adaptar o paladar para um sabor menos doce porque favorece muitos benefícios à saúde. 

No caso de optar por açúcar, ela adverte para evitar o branco,  também um grande vilão na alimentação: alem de não ter nenhum nutriente, ainda favorece o aumento da glicose e o acúmulo de gordura. Ao invés desse, a nutricionista recomenda o açúcar de baixo índice glicêmico, como o açúcar do coco. 

É sempre bom lembrar que a medida entre o veneno e o remédio é a dose. Portanto, Carla aconselha a ter sempre moderação no consumo desses produtos. 

Quer saber mais sobre os adoçantes e tirar todas as suas dúvidas? Então agende uma consulta com a nutricionista Carla Laprovítera, especialista em nutricão esportiva funcional.

É só ligar pra (85) 98820-2563 e 99845-2591. O consultório  fica na Av. Dom Luís, 1200, torre I, sala 916. 

Carla Laprovítera

Foto: Divulgação