by Pompeu Vasconcelos

Balada In

Ícone da fotografia no Brasil, ramo que atuou por mais de 65 anos, Chico Albuquerque, nascido em 25 de abril de 1917 e falecido em 26 de dezembro de 2000, será homenageado pelo Instituto Moreira Salles (IMS), do Rio de Janeiro, e pela Terra da Luz Editorial, do Ceará, com a abertura da exposição "O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos, dia 25 de abril, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. A mostra abre o festival Maloca Dragão, que este ano tem como tema "It's All True, Orson Welles – 100 anos de Chico Albuquerque. 

Patrícia Veloso, da Terra da Luz, que divide a curadoria da exposição com Sérgio Burgi, do IMS nos adianta que esta será a mais completa mostra sobre a obra de Chico Albuquerque, somando cerca de 400 fotografias, além de objetos, livros, recortes, exibição de filmes ("It's All True", "Cangaceiros"), documentários sobre ele, vídeo sobre o livro Mucuripe, entrevistas, entre outros. 

A exposição apresenta as várias fases de sua vida e obra. Uma das salas lembra o período de 1934 a 1945, os primeiros anos da ABAFILM, fundada em Fortaleza por seu pai, Adhemar Bezerra de Albuquerque, e o início da carreira profissional de Chico, que esteve à frente do estúdio da empresa de fotografia do pai. É dessa época o trabalho de still do filme It's All True, do cineasta Orson Welles, do qual participou Chico Albuquerque, e os registros do cangaço feitos por Benjamim Abrahão, cujo serviço foi contratado pela ABAFILM. 

Em 1945 Chico Albuquerque mudou-se para São Paulo, onde abriu seu estúdio e destacou-se como um dos melhores retratistas do país, tornando-se um ícone da fotografia publicitária no Brasil, atividade que iniciou em 1949 junto às maiores agências de publicidade nacionais e internacionais. Do período que residiu em São Paulo retratou cerca de 50 de artistas, políticos e outras personalidades, as fotografias de arquitetura, moda, indústria automobilística e as imagens urbanas da capital paulista, produzidas nas décadas de 1960 e 1970, nunca expostas em Fortaleza. 

Chico Albuquerque

Foto: Delfina Rocha