Perspicácia, instinto, faro. Com esses atributos, além de um amor incontestável pela arte, o chanceler da Universidade de Fortaleza, Airton Queiroz, construiu, ao longo de cinco décadas, um panorama extraordinário da arte brasileira, que vai do Brasil holandês aos dias atuais. A coleção, uma das mais importantes e completas do país, reúne cinco séculos de história. Parte desse enorme legado estará aberto à visitação, na exposição Coleção Airton Queiroz, em cartaz a partir do dia 15 de junho, no Espaço Cultural Airton Queiroz, localizado no campus da Universidade de Fortaleza – Unifor.

Com curadoria de Fábio Magalhães, José Roberto Teixeira e Max Perlingeiro, sob o olhar atento do chanceler, a exposição reúne 251 obras dos principais nomes das artes plásticas brasileiras, além de artistas internacionais do porte de Monet, Renoir, Miró e Dalí. Em uma oportunidade única, o público cearense e brasileiro poderá apreciar telas, instalações e esculturas pertencentes a uma das maiores coleções da América Latina e que, em sua maioria, nunca foram expostas no Ceará.

A exposição divide as obras entre períodos históricos e movimentos artísticos, totalizando cinco eixos: Do Brasil Holandês à República, Modernismo, Abstração, Contemporâneos e Presença Estrangeira.

Do Brasil Holandês à República

Primeiro país do Novo Mundo a ser retratado pelos artistas dos colonizadores, o Brasil está representado, em seus primórdios e transformações, em trabalhos como o desenho de Albert Eckhout (1610-1655) sobre um menino tapuia, a obra mais antiga da coleção. Eckhout foi um dos pintores a serviço do Conde Maurício de Nassau quando governador do Brasil Holandês, entre 1637 e 1644.

Modernismo

Um dos principais eixos da mostra tem como ponto de partida a obra de Anita Malfatti, na antessala do modernismo. A tela, Mulher de Cabelo Verde “é, sem dúvida, uma das peças mais importantes do acervo. Trata-se de uma obra icônica, de grande significado para a história da arte brasileira e, em particular, para todo o movimento modernista”, aponta Fábio Magalhães.

As esculturas também estão presentes na mostra. O chanceler Airton Queiroz reuniu um elenco de grandes escultores brasileiros que se destacaram no panorama artístico do século 20, entre os quais Victor Brecheret, (1894-1955), Maria Martins (1894-1973) Ernesto de Fiori (1884-1945) e Bruno Giorgi – escultor que colaborou com Oscar Niemeyer (1907-2012) em obras relevantes na implantação de Brasília.

Abstração

Entre as obras da Coleção, merece destaque o Bicho, de Lygia Clark, que faz parte da série de construções geométricas articuláveis produzidas entre os anos de 1960 e 1964. É um não-objeto que exige interatividade, feito para ser manipulado. Lygia apresentou os bichos na VI Bienal de São Paulo, em 1961, e ganhou o prêmio de melhor escultura nacional.

Também presentes Manabu Mabe, Tomie Ohtake, Hermelindo Fiaminghi, Hélio Oiticica, Lygia Pape e Alfredo Volpi.

Contemporâneos

Foi do interesse pelo modernismo que surgiu, por parte do colecionador, o apreço pela arte contemporânea, também presente na exposição em obras de artistas como Adriana Varejão e Beatriz Milhazes – que tiveram suas individuais no Espaço Cultural Airton Queiroz em 2015 –, além de Leonilson, Leda Catunda e outros.

Presença Estrangeira

A mostra trará também a evolução da arte europeia ao longo dos séculos, desde o Renascimento até os movimentos modernistas da primeira metade do século 20. Nesse segmento, a obra mais antiga e certamente das mais importantes é uma pintura a óleo sobre madeira atribuída ao célebre mestre barroco flamengo Peter Paul Rubens (1577-1640), um dos expoentes máximos da história da pintura ocidental.

Márcio Crisóstomo e transplante capilar

26 de Maio de 2016 . Por Balada In

Identidade

Para muitos, a perda de cabelo vai além da questão estética. Trata-se de uma parte de sua identidade, a qual não pode escapar. Deste modo, perdê-lo, significa muito mais do que ficar sem uns míseros fios capilares. Assim, não é de se espantar que algumas pessoas ''caiam'' em um estado depressivo e sintam momentos de desespero por achar que nunca mais terão o cabelo perdido. Saiba que este caso tem solução.

Diferencial

Díscipulo de Ivo Pitanguy, com quem trabalhou por três anos, Márcio Crisóstomo, atualmente ostenta o título de Especialista em Transplante Capilar, da American Board of Hair Restoration Sugery (ABHRS), nos EUA, onde somente dois profissionais no Brasil o possuem.

Divisor de águas

''A primeira apresentação foi em Roma. Daí continuei focando nessa área, nas calvícies mais extensas'', explica ele. Embora o leque de opções  de tratamento e cirurgia seja bem amplo, com o sucesso da Técnica Combinada, sua demanda foi sendo mais direcionada para a correção das calvícies extensas, principalmente para as declaradas ''sem jeito'' por outros especialistas. Com isso, a realidade de sua agenda mudou.

Transplante

Segundo o médico, na revolucionária Técnica Combinada ele utliza dois métodos:o clássico, Folicular Unit Transplantation (FUT) e o Folicular Unit Extraction (FUE), em que as unidades são retiradas uma a uma, da área doadora, evitando-se uma incisão e a cicatriz linear da técnica cláissica, que não era muito popular. Essa nova metodologia permite o implante de um número muito maior de fios do que qualquer outra técnica isolada. Foi o ''pulo do gato''.

Serviços

O Instituto de Medicina do Cabelo oferece, além de todas as técnicas atuais em transplante capilar, diagnóstico de alterações do cabelo e  couro cabeludo, como queda de cabelo; tratamentos clínicos; tratamentos complementares e dermatologia do cabelo.

Rebeca Sampaio e sua paixão pelo couro

10 de Maio de 2016 . Por Balada In

Destaque no Dragão Fashion Brasil 2016, Rebeca Sampaio levou para a passarela do evento, peças em diversas cores, inspiradas no Nordeste, construções geométricas e algumas assimétricas, além de uma técnica de pintura de couro. E por falar em couro, essa é sua paixão, quando se fala em moda. Aqui em baixo, a estilista conta pra gente, com exclusividade, um pouco da sua trajetória e os planos para sua grife.

Como tudo começou
Das passarelas para a criação. É assim que se dá a relação de Rebeca Sampaio com o mundo da moda. A ex-modelo foi até Londres, se especializou no Instituto Marangoni e voltou para o Brasil cheia de boas ideias, apostando em marca própria voltada para 'moda festa moderna'.
Grife Rebeca Sampaio
A estilista começou sua trajetória como marca em 2014, quando à convite de Cláudio Silveira, diretor do DFB, fez seu primeiro desfile autoral. Suas peças são marcadas por uma moda festa moderna e jovem, modelagem com recortes e o uso de couro (ora em detalhe, ora em peças completas).
Dragão Fashion Brasil
Pelo terceiro ano consecutivo, Rebeca deu um verdadeiro show na passarela do DFB. Nesta edição, ela apresentou uma coleção que trazia um olhar diferente da mulher sertaneja. Fugindo dos clichês do sertão sofrido, ela quis celebrar a alegria desse povo e teve como inspiração a flor do mandacaru, que foi ponto de partida para a criação de toda a coleção, inclusive na pintura do couro feita pela própria estilista.
Rebeca vem ensaiando essa técnica desde a faculdade e ano passado, pela primeira vez, usou do artifício para compor alguns looks do desfile. Já neste ano, ela aperfeiçoou a técnica e aplicou, juntamente com bordados, em várias peças apresentadas no evento.
Paixão pelo couro
A sua paixão pelo couro vem desde a infância. Nascida no interior do Ceará e criada em uma fazenda, Rebeca sempre gostou de cavalos e celas e via muita vaquejada e seus adornos típicos.
"Acho que o meu amor pelo couro vem daí, as celas dos cavalos sempre me encantaram, os chapéus de couro, as roupas dos vaqueiros. Tudo começou no interior e completou em Londres, onde eu via e usava muito o material por conta do frio. As pessoas me perguntam como consigo trabalhar o material em uma cidade tão quente quanto a nossa e eu respondo que tudo depende da maneira como é usado. Dificilmente vamos em um evento à noite e não temos ar-condicionado, além de que geralmente, o couro só é usado na parte de cima dos vestidos'', revelou.
Expansão
Por enquanto, Rebeca só trabalha sob encomenda, com peças únicas e sob medida, mas pretende fazer peças pronta-entrega e revender em algumas multimarcas da cidade. "Quero expandir aos poucos, quero acompanhar todo o processo um por um, ter certeza do bom acabamento e do atendimento personalizado. Gosto da coisa feita com atenção aos detalhes, com carinho. Quero que minha cliente se sinta única e especial. Dificilmente ela irá encontrar alguém com a mesma peça em um mesmo evento", ressaltou.
Onde encontrar as peças?
O site de compras está em construção, mas por enquanto, quem quiser acompanhar o trabalho de Rebeca pode seguir o instagram @rebecasampaiobrand e solicitar uma visita ao ateliê pelo email: rebecasampaiobrand@gmail.com ou pelo telefone: (85) 99779-9771.

Murilo Pascoal e a evolução do Beach Park

18 de Abril de 2016 . Por Balada In

Há 12 anos trabalhando no Beach Park e há 23 no setor de entretenimento, o paulista Murilo Pascoal (45) nos conta um pouco da evolução do parque, nascida do empreendedorismo e visão dos amigos João Eduardo Guinle Gentil e Arialdo Pinho, há 30 anos.

Atrativos

De lá pra cá, o parque só cresceu, Arialdo Pinho saiu e Ednilton Soárez- atualmente com 51% das cotas- ingressou na sociedade. O Beach Park, que conta hoje com 18 grandes atrações, inaugurou no último mês de dezembro, o brinquedo Vaikuntudo: maior toboágua tornado do mundo, e a Vila Azul do Mar, espaço de convivência, entretenimento e serviço.

Destaque

Em 2015, foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, o segundo melhor parque aquático do mundo ( o primeiro é na Espanha, em Tenerife), pelos usuários do Trip Advisor. O insano foi considerado pelo Travel Channel, o brinquedo mais radical do planeta.

Complexo

O complexo conta, ainda, com espaço na praia, quatro hotéis ( Suítes Beach Park Resort; Acqua Beach Park Resort; Oceani Beach Park Resort e Wellness Beach Park Resort) e o BP Vacation Club.

1 milhão de visitantes

Em 2015, segundo o diretor, chegaram cerca de um milhão de visitantes, sendo 20% cearenses e 79% turistas nacionais. Destes, 40% de São Paulo e outros 39%  dos demais estados brasileiros, com destaque para Brasília, Manaus e Bélem. Os visitantes internacionais ficaram com a fatia de 1% vindos, principalmente, da Argentina. ''A expectativa é que esse número seja sempre crescente'', informa.

Qualidade

Podemos afimar, sem medo, que o Beach Park contribuiu, ao longo de sua história, para mudar o perfil desse visitante, atraindo para o Ceará um público predominantemente formado por famílias em busca de diversão, alegria e emoção. O segredo? O compromisso com a qualidade.

Murilo Pascoal

Foto: Balada In

Idealizador do Dragão Fashion Brasil, Cláudio Silveira regressa de Londres cheio de ideias para a maior Semana de Moda Cearense. O empresário nos revelou, em primeira-mão, o tema e algumas das novidades do que vai rolar no DFB 2016.

''O tema deste ano será 'O Sangue Latino'. A inspiração vem de um trabalho que estamos fazendo com a Colômbia. Faremos um desfile com um coletivo de desenhadores da Colômbia, assim como faremos um desfile com um coletivo de desenhadores do Brasil. Esse multiculturalismo será o ápice do evento'', conta.

Cláudio ainda ressalta que ''o Dragão Fashion se consagra como internacional, mais uma vez, por conta da história da América Latina, pegada nova deste ano''.

'Simples, porém chique'

Mesmo com o tema já definido, Cláudio Silveira fez várias pesquisas de espaço e tendências durante a semana de moda londrina, direcionadas para a produção do DFB. ''O London Fashion Week saiu do Somerset House, espaço chiquérrimo que era do Governo, para uma garagem no Soho. Moral da história: a simplicidade é cada vez mais chique'', conta.

E é essa pegada do 'Simples, porém chique', que o empresário pretende trazer para o DFB. ''Nós estamos no caminho certo. O Dragão Fashion nunca quis ser um São Paulo Fashion Week, somos internacional pelo nosso conteúdo, que é exatamente a moda autoral'', afirma.

Cláudio pretende mostrar a cultura e a identidade dos países da América Latina durante o evento. ''O espaço vai ser o mais moderno possível. O simples vai ser transcrito na execução dos desfiles e na forma de mostrar as artesanías do mundo'', conclui.

Data Confirmada

Uma verdadeira junção da cultura latino-americana vai tomar conta do Terminal Marítimo dos Passageiros, que foi escolhido como palco, mais uma vez, do Dragão Fashion. O evento acontecerá entre os dias 4 e 7 de maio e contará com o badalado Lounge Balada In.

O line-up? Ainda não foi totalmente definido, mas Cláudio adianta que já fechou com diversos estilistas queridinhos do nosso Estado e internacionais, além do casting com a agência Way Model- uma das melhores do mundo. 

Para finalizar nosso bate-papo, Cláudio Silveira conta mais uma novidade quentinha. ''Essa edição do Dragão Fashion Week também vai ser tomada por galerias e espaços recheados de arte'', disparou.