Rebeca Sampaio e sua paixão pelo couro

10 de Maio de 2016 . Por Balada In

Destaque no Dragão Fashion Brasil 2016, Rebeca Sampaio levou para a passarela do evento, peças em diversas cores, inspiradas no Nordeste, construções geométricas e algumas assimétricas, além de uma técnica de pintura de couro. E por falar em couro, essa é sua paixão, quando se fala em moda. Aqui em baixo, a estilista conta pra gente, com exclusividade, um pouco da sua trajetória e os planos para sua grife.

Como tudo começou
Das passarelas para a criação. É assim que se dá a relação de Rebeca Sampaio com o mundo da moda. A ex-modelo foi até Londres, se especializou no Instituto Marangoni e voltou para o Brasil cheia de boas ideias, apostando em marca própria voltada para 'moda festa moderna'.
Grife Rebeca Sampaio
A estilista começou sua trajetória como marca em 2014, quando à convite de Cláudio Silveira, diretor do DFB, fez seu primeiro desfile autoral. Suas peças são marcadas por uma moda festa moderna e jovem, modelagem com recortes e o uso de couro (ora em detalhe, ora em peças completas).
Dragão Fashion Brasil
Pelo terceiro ano consecutivo, Rebeca deu um verdadeiro show na passarela do DFB. Nesta edição, ela apresentou uma coleção que trazia um olhar diferente da mulher sertaneja. Fugindo dos clichês do sertão sofrido, ela quis celebrar a alegria desse povo e teve como inspiração a flor do mandacaru, que foi ponto de partida para a criação de toda a coleção, inclusive na pintura do couro feita pela própria estilista.
Rebeca vem ensaiando essa técnica desde a faculdade e ano passado, pela primeira vez, usou do artifício para compor alguns looks do desfile. Já neste ano, ela aperfeiçoou a técnica e aplicou, juntamente com bordados, em várias peças apresentadas no evento.
Paixão pelo couro
A sua paixão pelo couro vem desde a infância. Nascida no interior do Ceará e criada em uma fazenda, Rebeca sempre gostou de cavalos e celas e via muita vaquejada e seus adornos típicos.
"Acho que o meu amor pelo couro vem daí, as celas dos cavalos sempre me encantaram, os chapéus de couro, as roupas dos vaqueiros. Tudo começou no interior e completou em Londres, onde eu via e usava muito o material por conta do frio. As pessoas me perguntam como consigo trabalhar o material em uma cidade tão quente quanto a nossa e eu respondo que tudo depende da maneira como é usado. Dificilmente vamos em um evento à noite e não temos ar-condicionado, além de que geralmente, o couro só é usado na parte de cima dos vestidos'', revelou.
Expansão
Por enquanto, Rebeca só trabalha sob encomenda, com peças únicas e sob medida, mas pretende fazer peças pronta-entrega e revender em algumas multimarcas da cidade. "Quero expandir aos poucos, quero acompanhar todo o processo um por um, ter certeza do bom acabamento e do atendimento personalizado. Gosto da coisa feita com atenção aos detalhes, com carinho. Quero que minha cliente se sinta única e especial. Dificilmente ela irá encontrar alguém com a mesma peça em um mesmo evento", ressaltou.
Onde encontrar as peças?
O site de compras está em construção, mas por enquanto, quem quiser acompanhar o trabalho de Rebeca pode seguir o instagram @rebecasampaiobrand e solicitar uma visita ao ateliê pelo email: rebecasampaiobrand@gmail.com ou pelo telefone: (85) 99779-9771.

Murilo Pascoal e a evolução do Beach Park

18 de Abril de 2016 . Por Balada In

Há 12 anos trabalhando no Beach Park e há 23 no setor de entretenimento, o paulista Murilo Pascoal (45) nos conta um pouco da evolução do parque, nascida do empreendedorismo e visão dos amigos João Eduardo Guinle Gentil e Arialdo Pinho, há 30 anos.

Atrativos

De lá pra cá, o parque só cresceu, Arialdo Pinho saiu e Ednilton Soárez- atualmente com 51% das cotas- ingressou na sociedade. O Beach Park, que conta hoje com 18 grandes atrações, inaugurou no último mês de dezembro, o brinquedo Vaikuntudo: maior toboágua tornado do mundo, e a Vila Azul do Mar, espaço de convivência, entretenimento e serviço.

Destaque

Em 2015, foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, o segundo melhor parque aquático do mundo ( o primeiro é na Espanha, em Tenerife), pelos usuários do Trip Advisor. O insano foi considerado pelo Travel Channel, o brinquedo mais radical do planeta.

Complexo

O complexo conta, ainda, com espaço na praia, quatro hotéis ( Suítes Beach Park Resort; Acqua Beach Park Resort; Oceani Beach Park Resort e Wellness Beach Park Resort) e o BP Vacation Club.

1 milhão de visitantes

Em 2015, segundo o diretor, chegaram cerca de um milhão de visitantes, sendo 20% cearenses e 79% turistas nacionais. Destes, 40% de São Paulo e outros 39%  dos demais estados brasileiros, com destaque para Brasília, Manaus e Bélem. Os visitantes internacionais ficaram com a fatia de 1% vindos, principalmente, da Argentina. ''A expectativa é que esse número seja sempre crescente'', informa.

Qualidade

Podemos afimar, sem medo, que o Beach Park contribuiu, ao longo de sua história, para mudar o perfil desse visitante, atraindo para o Ceará um público predominantemente formado por famílias em busca de diversão, alegria e emoção. O segredo? O compromisso com a qualidade.

Murilo Pascoal

Foto: Balada In

Idealizador do Dragão Fashion Brasil, Cláudio Silveira regressa de Londres cheio de ideias para a maior Semana de Moda Cearense. O empresário nos revelou, em primeira-mão, o tema e algumas das novidades do que vai rolar no DFB 2016.

''O tema deste ano será 'O Sangue Latino'. A inspiração vem de um trabalho que estamos fazendo com a Colômbia. Faremos um desfile com um coletivo de desenhadores da Colômbia, assim como faremos um desfile com um coletivo de desenhadores do Brasil. Esse multiculturalismo será o ápice do evento'', conta.

Cláudio ainda ressalta que ''o Dragão Fashion se consagra como internacional, mais uma vez, por conta da história da América Latina, pegada nova deste ano''.

'Simples, porém chique'

Mesmo com o tema já definido, Cláudio Silveira fez várias pesquisas de espaço e tendências durante a semana de moda londrina, direcionadas para a produção do DFB. ''O London Fashion Week saiu do Somerset House, espaço chiquérrimo que era do Governo, para uma garagem no Soho. Moral da história: a simplicidade é cada vez mais chique'', conta.

E é essa pegada do 'Simples, porém chique', que o empresário pretende trazer para o DFB. ''Nós estamos no caminho certo. O Dragão Fashion nunca quis ser um São Paulo Fashion Week, somos internacional pelo nosso conteúdo, que é exatamente a moda autoral'', afirma.

Cláudio pretende mostrar a cultura e a identidade dos países da América Latina durante o evento. ''O espaço vai ser o mais moderno possível. O simples vai ser transcrito na execução dos desfiles e na forma de mostrar as artesanías do mundo'', conclui.

Data Confirmada

Uma verdadeira junção da cultura latino-americana vai tomar conta do Terminal Marítimo dos Passageiros, que foi escolhido como palco, mais uma vez, do Dragão Fashion. O evento acontecerá entre os dias 4 e 7 de maio e contará com o badalado Lounge Balada In.

O line-up? Ainda não foi totalmente definido, mas Cláudio adianta que já fechou com diversos estilistas queridinhos do nosso Estado e internacionais, além do casting com a agência Way Model- uma das melhores do mundo. 

Para finalizar nosso bate-papo, Cláudio Silveira conta mais uma novidade quentinha. ''Essa edição do Dragão Fashion Week também vai ser tomada por galerias e espaços recheados de arte'', disparou.

Com apenas 25 anos, o advogado e empresário, Thiago Nogueira Pinho, assume o comando da Associação dos Jovens Empresários (AJE) de Fortaleza, tendo como objetivo principal: desenvolver projetos em parceria com o Poder Público para estimular o empreendedorismo entre os jovens.

O novo coordenador aposta como diferencial da sua gestão, a humildade em reconhecer os trabalhos feitos no último legado de Ricardo Dreher de Palhano, aproveitando os eventos de sucesso que foram realizados - a exemplo da corrida Correndo do Imposto; isso sem deixar de inovar, é claro.

''Não adianta querer mudar tudo de um ano para o outro, pois o tempo da gestão é curto (apenas 1 ano). Vamos inovar com diferentes projetos, principalmente em parceria com o Poder Público, mas também vamos dar continuidade ao trabalho que vem sendo desempenhado'', ressaltou.

Metas para 2016

Durante um bate-papo com a gente, Thiago contou que tem como meta para 2016, executar os seguintes projetos: Minha Primeira Empresa, em parceria com o Governo do Estado (Secretária Nicole Barbosa); Meu Bairro Empreendedor, em parceria com a Prefeitura Municipal de Fortaleza (Secretário Robinson de Castro); e o projeto social Superindividados, em parceria com o Deputado Estadual Odilon Aguiar.

Aproveitamos para perguntar sobre os artifícios que ele pretende usar para uma maior interação com os jovens empresários, em meio ao atual cenário de crise que enfrentamos. A resposta?

''Em tempos de crise, a exemplo do que enfrentamos no ano passado e, certamente, enfrentaremos esse ano - ressaltando a projeção negativa do FMI de retração de 3,5% do nosso PIB no ano de 2016 - o empresário busca unir forças para contornar essa situação e o associativismo se apresenta como uma excelente plataforma para essa união. Então, vamos buscar divulgar cada vez mais as ações realizadas pela AJE Fortaleza e estimular que mais jovens empresários da cidade ingressem no movimento'', conta.

Eventos

A gestão já começa a todo vapor com vários eventos agendados para este ano, desde os almoços empresariais quinzenais, com início no final deste mês; até missões internacionais, como a que acontecerá em maio para Coreia do Sul/Dubai, em parceria com a Companhia Siderúrgica do Pecem (CSP), além do encontro comemorativo do Dia da Liberdade de Impostos (DLI), também previsto para maio.

Parcerias

Além do poder público, Thiago também pretende fechar parcerias com entidades privadas, a exemplo da Missão Internacional que terá o apoio da CSP; a realização do evento DLI com apoio do Sistema FIEC e dos shoppings Riomar Fortaleza e Grand Shopping Messejana; além de um projeto envolvendo a FIESP ("Não vou pagar o pato!) e o seu Presidente Paulo Skaf, já tendo a Faculdade Farias Brito se colocado à disposição para a realização desse projeto.

Novos Associados

Até o final do ano, Thiago Pinho almeja alcançar o número de 200 associados. E ressalta que, para se associar, '' os interessados precisam ter entre 18 e 32 anos, ser empresário ou sucessor em linha direta''. Quer saber mais detalhes? Aí vai o telefone da AJE Fortaleza: (85) 3244-7909.

Ah, para conferir todos os flashes da cerimônia de posse da nova diretora, basta clicar aqui.

Ignêz Fiúza: o adeus à dama das artes

11 de Fevereiro de 2016 . Por Balada In

''Diria que a Dona Ignêz Fiúza não passou pela vida, pois mesmo partindo, ela ainda continua presente na vida de muita gente aqui e também na história das artes cearense'', ressalta o artista plástico Totonho Laprovitera, amigo e admirador declarado da galerista.

E galerista era apenas um de muitos atributos da Dona Ignêz, que também se destacou como restauranteur, marchand, visionária e empreendedora. Considerada uma das maiores incentivadoras de artes no Ceará, com legado de quase 50 anos dedicados à cultura no Estado, Ignêz Fiúza nos deixou nesta terça-feira (9), vítima de insuficiência respiratória.

Completaria 92 anos no próximo dia 23. Mais que saudades, deixou um legado de inspiração e requinte. Conduziu a arte e a beleza pelas mãos, apresentando-as ao público e ensinando que quando tudo está perdido, são elas que permanecem.

Trajetória

Aos 39 anos, com cinco filhos Elizabeth, Ticiana, Cezár, Marcílio e Luiz Eduardo e uma viuvez antecipada, entrou no mundo dos negócios, das artes e antiguidades, das abstrações refinadas e das altas quantias. Da Praia de Iracema, ela fez sua pátria. ''Ignêz foi a primeira pessoa no Ceará a ter um antiquário, depois uma galeria, em sua casa, o Recanto do Ouro Preto'', nos contou, Totonho Laprovitera.

Ainda na região, ela inaugurou o famoso restaurante La Bohéme, nos anos 80, em um espaço antes aproveitado apenas pela boemia cearense. ''Na parte gastronômica, a Dona Ignêz inovou. Durante as vernissages, em sua galeria, ela servia comida regional, como castanha e paçoca; reforçando sua identidade cultural com as nossas raízes'', revelou Laprovitera.

Ignêz também foi reconhecida por lançar grandes artistas como José Guedes, Roberto Galvão e Gilberto Cardoso. ''Ela acreditou no meu trabalho. Estou muito triste. Perdi uma grande amiga e uma pessoa que foi de extrema importância para minha vida profissional. Foram muitos anos de convivência e de realizações. Fizemos muitas exposições juntos, momentos inesquecíveis. Tínhamos, inclusive, uma exposição agendada para este ano na Casa D’Alva, com artistas cujas histórias, assim como a minha, estão atreladas à história de sua importantíssima galeria. Tudo o que Ignêz fazia era bem feito. Vai fazer uma falta danada'', afirmou José Guedes.

''Artista Atemporal''

Amigo de infância de Marcílio -um dos herdeiros de Ignêz Fiúza- Totonho Laprovitera nos contou que recentemente, a galerista mantinha um grupo de estudos literários em sua residência. E que também, estava em seus planos algum projeto diferenciado nas artes plásticas. ''Talvéz, ela quisesse fazer alguma amostra com obras de quem já passou pela galeria dela''.

''D. Ignêz era uma mulher de muita fibra, elegância e de uma personalidade muito forte. Ela foi uma artista atemporal; fez da vida a sua arte maior'', ressaltou.

Sociedade cearense em luto

''Homenageamos ela na Casa Cor, em 2011. Na ocasião, ela também recebeu uma homenagem do neto Ronaldo, que redesenhou o restaurante La Bohéme, numa reabertura provisória dentro do evento de arquitetura e decoração. E, nesta última edição, em 2015, ela foi jurada do nosso Prêmio. Estamos todos de luto'', afirmou Neuma Figueiredo. 

"A presença de Ignez Fiúza sempre foi uma referência de olhar para a cultura com a sensibilidade quem amava as artes".Sua trajetória deixa um expressivo acervo de ações e empreendimentos, notadamente no campo da pintura, que deve servir de inspiração às atuais e novas gerações. "Será sempre lembrada pelo inarredável compromisso com as mais legítimas expressões da arte do nosso Estado e de Fortaleza. Um dos mais ricos quadros da nossa cultura", ressaltou o prefeito Roberto Cláudio.

'É uma notícia que entristece, porque ela realmente foi a mãe, a musa das artes plásticas cearenses. Há um diferencial, antes e depois de Ignez Fiúza. Ela possibilitou para a sociedade cearense essa maior aproximação com as artes, porque Fortaleza era uma cidade atrasada nesse aspecto. Antes, as pessoas não pensavam muito em investir em obras de arte, e ela trouxe isso. Pro artista, foi maravilhoso. A notícia me entristece, mas ela deixou uma marca e deve ser reverenciada, lembrada, homenageada. Já fico pensando que temos que ter uma rua ou uma praça com seu nome, o nome de uma mulher extraordinária que trouxe a sofisticação e a simplicidade para si e para os que a rodeavam'' contou, Mano Alencar.

''Sua atuação possibilitou que nossa população conhecesse importantes artistas locais, como Aldemir Martins e Floriano Teixeira, que penetraram na arte de Fortaleza pelas mãos de dona Ignez. Fui um dos artistas com quem ela trabalhava, e tinha uma relação muito estreita com ela e com a galeria. Sua morte foi tristeza porque até 30 dias atrás nós a encontrávamos imaginando e promovendo coisas. Apesar da idade, nunca deixou de ser uma pessoa ativa'', ressaltou Roberto Galvão.