Cotidiano

Candidato em Parangaba

19 de Outubro de 2018 . Por Totonho Laprovitera


Sucedeu no ano de 1954, quando das eleições estaduais no Ceará. 

Candidato à deputância estadual, professor Iran decidiu fazer um comício na Praça dos Caboclos, próxima a Igreja do Senhor Bom Jesus dos Aflitos, mais conhecida como Matriz da Parangaba. Bastante cotado, então, o seu partido político ? não sei se União Democrática Nacional (UDN) ou Partido Social Democrático (PSD) ? achou por bem convidar para o evento um de seus mais ilustres líderes nacionais, que estava em rápida passagem por Fortaleza. 

Com a praça coalhada de gente, naquela festiva noite tudo estava nos conformes, até o entusiasmado locutor se esquecer do nome da autoridade visitante e, com a voz exageradamente impostada, anunciar: - ?Senhoras e senhores, neste exato momento temos a honra e regozijo de anunciar que está ascendendo a este nobre palanque o professor Iran com... com... com o membro de fora!? 

Entre uma penca de gaitadas e assovios, a alencarina vaia comeu foi de esmola e o professor Iran, todo desconcertado, ainda conferindo a sua braguilha, acenou ao público e começou o seu vibrante discurso, sem justificar o mal-entendido. 

Em tempo: Parangaba já foi a vila Arronches, depois município do Ceará ? com o nome de Porangaba ? e distrito de Fortaleza. Hoje é bairro.

Point Lauro Maia 35 anos

17 de Outubro de 2018 . Por Totonho Laprovitera


Nem precisei ver as fotos, para constatar o sucesso dos 35 anos do liverpudlian Point Lauro Maia. Assim, entristeceu-me perder a festa, em decorrência de um procedimento dentário que ontem fui submetido. 

Frequento a esquina do Vaval desde 1996 ? quer dizer, há 22 anos ? quando fui levado à convite de Raimundo Fagner, que resgatava o principiar de sua história de vida, por lembrança do amigo Charutinho. De pronto, identifiquei-me com o lugar, onde, desde então, tenho praticado a arte das boas amizades. De lá pra cá, quantas noitadas, quantos carnavais, quantas tardes e madrugadas, quantas histórias, quantas conversas, agamenetes e leruaites, quantas práticas do bem aconteceram e acontecem no Point... 

Vaval, a nossa confraria é de irmandade e nos faz iguais, mesmo sabendo que levamos distintos modos de vida. É o princípio do bem viver que aprendemos com os ainda meninos da Raça Ruim da Lauro Maia. 

Pois é, velho e idolatrado amigo do peito, quando quero me amostrar eu digo que sou da Turma do Vaval e até exagero, ao contar da minha grande assiduidade, que não é do tamanho da vontade de lá estar. 

Turma, vida longa e próspera ao Point Lauro Maia! 

Totonho Laprovitera, primavera de 2018.

Sandália japonesa

16 de Outubro de 2018 . Por Totonho Laprovitera


O primeiro par de Havaianas surgiu em 1962, inspirado na Zori, sandália de dedo japonesa tradicional, com solas de palha de arroz. 

Patenteada em 1964 ? "um novo tipo de sola de borracha com tira" ? o modelos das Havaianas é uma criação legitimamente brasileira que ganhou o mundo e até hoje faz o maior sucesso em tudo quanto é canto. 

Em meados dos anos 70, eu possuí uma customizada: preta, com a tira enfiada na sola virada.

Política e memória

14 de Outubro de 2018 . Por Totonho Laprovitera

Xilogravura de Percy Deane, em edição de "Memórias do Cárcere", de Graciliano Ramos.

"Nada é tão admirável em política quanto uma memória curta." (John Galbraith)

Meias do bem

10 de Outubro de 2018 . Por Totonho Laprovitera